O avanço da tecnologia abriu um universo de possibilidades para diversas áreas. Entre as mais beneficiadas, está a educação: que atualmente pode contar com ferramentas inovadoras para reforçar os processos de aprendizagem de estudantes de diversas faixas etárias. Nesse sentido surgiram as Edtechs, startups voltadas para o unir esses dois mundos e aprimorar o ensino tradicional e corporativo. 

Esse tipo de negócio vem fazendo sucesso no exterior, transformando o ensino de crianças, jovens e adultos, e recentemente começou a gerar barulho também no Brasil. 

Nesse artigo vamos mostrar como o mercado de Edtechs vem crescendo no país e as oportunidades que esses negócios podem trazer para instituições de ensino tradicionais e empresas, fortalecendo e modernizando a aprendizagem de diferentes públicos. 

O que são as Edtechs e de onde surgiram?

Não dá para negar: os avanços tecnológicos fazem parte do nosso cotidiano. Ao pagar as contas no aplicativo, assinar um serviço de streaming e até mesmo fazer uma consulta médica online — em todas essas ações a tecnologia se faz presente para facilitar a vida das pessoas e melhorar sua experiência. 

A parceria entre a tecnologia e os negócios vem crescendo nas últimas décadas. Novos conceitos surgem todos os dias, como fintech, healthtech, legaltech, agrotech e edtech: cada uma dessas nomenclaturas é um tipo de startup voltada a um mercado específico — finanças, saúde, jurídico, agricultura e educação.  

As edtechs adotam o melhor das ferramentas tecnológicas, aplicando-as à aprendizagem de crianças, jovens, adultos e até idosos, oferecendo uma experiência moderna e ativa de ensino. Além disso, as plataformas ainda trazem a vantagem de permitir com que as instituições e RHs possam acompanhar o desempenho dos estudantes por meio de relatórios detalhados automatizados. 

Se antes havia a ideia equivocada de que a tecnologia atrapalhava o ensino, ainda mais de crianças e jovens, esse mito caiu por terra nos últimos anos: as ferramentas tecnológicas agora são parceiras estratégias para tornar o momento de aprendizagem mais envolvente, moderno e rico, explorando novos formatos de conteúdo. E elas tem muito a agregar ao conhecimento dos mais diversos públicos. 

Em vez das aulas ou treinamentos corporativos seguirem o estilo tradicional expositivo — com os professores/instrutores explicando o assunto e os estudantes copiando e prestando a atenção —, o uso das soluções desenvolvidas pelas edtechs trazem plataformas e dinâmicas que usam estímulos diversos para enriquecer o aprendizado.  

Esse tipo de startup nasceu décadas atrás, mas, com a popularização da internet e dos aparelhos, está ganhando cada vez mais espaço: mas sua fama não se restringiu apenas ao exterior. 

Edtechs no Brasil: a realidade do mercado

É comum que algumas inovações demorem a chegar e decolar no país. Enquanto no exterior algumas soluções já são consagradas, outras começam a ganhar o mercado brasileiro nos últimos anos. 

No entanto, no caso das edtechs, é possível ver que há o interesse e um mar de oportunidades para o crescimento dessa área no Brasil, além da construção de indústria nacional. A Associação Brasileira de Startups vem monitorando esse segmento por meio de um grande levantamento nacional desde 2018, compreendendo o perfil das empresas e soluções desenvolvidas no país.

Seu estudo Mapeamento de Edtechs — Investigações sobre as startups de tecnologia educacional no Brasil 2019, feito em parceria com o Centro de Inovação para Educação Brasileira (CIEB) e o Grupo A, mostrou um aumento de 23,3% de empresas no mercado, em comparação ao levantamento do ano anterior.  

A maioria dos negócios (48,11%) são voltados ao ensino fundamental e médio, seguidos pelo ensino infantil (22,49%) e em terceiro, (16,04%), ficaram os cursos livres. A pesquisa também registrou que existem soluções voltadas para o ensino superior, corporativo, preparatório e idiomas.

O mapeamento mostra que houve um boom na fundação de edtechs no Brasil a partir de 2010, além de detalhes gerais, como que a região Sudeste abriga a maior parte dessas empresas (59%), enquanto as soluções que dominam o mercado (61%) são os SaaS — software como serviço.

A pesquisa fez um mapeamento de 20 tecnologias adotadas pelas edtechs brasileiras, como os cursos online, jogos educativos e ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs). Isso confirma a variedade de recursos desenvolvidos nas startups no país, abrindo um leque de possibilidades para as empresas e instituições de ensino que desejam complementar suas ações educativas com soluções tecnológicas. 

No mercado brasileiro, podemos encontrar algumas das seguintes soluções:

  • Ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs): é uma ferramenta popular de educação à distância, que permite aos usuários acessar os conteúdos em diversos formatos, trocar ideias por meio de chats e realizar avaliações de desempenho;
  • Jogos educativos: usam elementos lúdicos para tornar a experiência de aprendizagem mais engajadora e dinâmica, melhorando assim os resultados;
  • Plataforma de aprendizado adaptativa: uma ferramenta que busca se adequar às necessidades, dificuldades e ritmo dos estudantes, oferecendo uma experiência personalizada e efetiva de aprendizagem;
  • Gamificação: usa elementos comuns aos jogos para motivar os estudantes em seus estudos, criando uma experiência imersiva e interativa de aprendizado.

Tecnologias como estas podem ser adotadas nos mais variados contextos de ensino, do tradicional ao empresarial, em todas as idades. 

Mas, esse é ainda o começo para essas startups no mercado brasileiro.

Edtechs no Brasil: as oportunidades no mercado

Ainda há um oceano de oportunidades a serem exploradas pelas edtechs no país. O número de empresas ainda é pequeno em comparação a outros lugares. No entanto, o crescimento de um ano a outro aponta um fortalecimento da indústria. 

Os números do Mapeamento de Edtechs mostram como o uso da tecnologia em alguns campos, como os treinamentos corporativos por exemplo, ainda pode ser bastante explorado. Assim como as soluções podem contribuir para melhorar o aprendizado no ensino formal, as ferramentas tem muito a beneficiar a educação empresarial.

Nesse sentido, as soluções podem transformar um momento que poderia ser monótono e pouco engajador — como os treinamentos obrigatórios — em uma experiência interativa e moderna. De forma natural, as ferramentas dão maior autonomia aos colaboradores, permitindo com que respeitem seu ritmo de estudo e aproveitem melhor os espaços em sua rotina para se aprimorarem profissionalmente. 

E existem diversas soluções que podem ser adotadas na educação empresarial. Descubra as tecnologias de treinamento que estão mudando o mercado e dê um UP na sua gestão de pessoas!