Economia compartilhada é uma visão inovadora que tem mudado o âmbito do mundo dos negócios. A Uber é um grande exemplo de sucesso e nos ensina muito sobre como fazer mais com menos, utilizando ao máximo um recurso.

A marca foi pioneira aqui no Brasil. Trouxe a ideia de mobilidade prática. A partir de um aplicativo, ela conecta usuários interessados em gerar uma renda a mais com pessoas que precisam se locomover no dia a dia. Nessa inovação, um único carro garante mobilidade para diversas pessoas.

Ela é só um dos exemplos que já vivenciamos em nossa rotina, Netflix, Enjoei, Ifood e Airbnb são outros cases de sucesso nos quais você pode ver a inovação e a economia compartilhada presentes. E são exatamente essas as principais características que permitiram que elas fizessem tanto sucesso.

Neste artigo, nós vamos dividir com você as principais características sobre economia compartilhada e inovação. Assim, entenderá melhor porque sua empresa pode utilizá-la em seu negócio para acompanhar essa crescente tendência.

Economia compartilhada e inovação

O advento da tecnologia trouxe diversas mudanças que influenciam a novos hábitos de consumo e experiência. Além da tecnologia, problemas como crises econômicas, consumo exagerado e colapso ambiental também são motivos de reflexão e mudança em diversos hábitos.

Ao unir essas duas questões, novas ideias sustentadas pela tecnologia surgiram para dar lugar a outras alternativas que diminuíssem o impacto sobre o mundo e economia. O bem comum dessas ideias foi o compartilhamento.

Portanto, a economia compartilhada é caracterizada como um sistema social e econômico. Nele os recursos humanos, físicos ou intelectuais são compartilhados.

Nesse novo cenário, a tecnologia tem um papel fundamental, além, é claro, da colaboração da comunidade e do engajamento. Sua função é a de conectar pessoas com interesses mútuos, por isso o elemento comunidade é um recurso muito importante para essa nova visão. Nesse modelo econômico há benefícios para todos, para o meio ambiente, inclusive, afinal, o impacto do “hiperconsumo” diminui nessa alternativa.

O termo inovação é utilizado quando uma nova maneira de solucionar um problema é encontrada e implementada no mercado. Essa solução deve trazer uma novidade ou melhoria para indivíduos e organizações, e pode estar ou não atrelada à tecnologia.

Na economia compartilhada, a inovação tem um papel fundamental, pois através dela são desenhadas saídas para situações atuais que foram pensadas para o sistema econômico de agora, buscando uma nova forma de realizar atividades.

A função da economia compartilhada

A função da economia compartilhada é aumentar o acesso a um bem ou serviço de custo elevado. Tudo isso acontece com uma forma de consumo racional, sustentável e consciente.

Nessa performance, o produto ou serviço produzido é otimizado; ou seja, ao invés haver a criação e compra de diversos produtos, um só é utilizado por diversas pessoas. Por isso, uma das características oportunizadas na economia compartilhada é a redução de custo, tanto a quem usa como a quem fornece.

Um produto ou serviço é caracterizado como parte de uma economia compartilhada quando se enquadra nos três pilares da sustentabilidade: social, econômico e ambiental. Pois por meio dele há economia de dinheiro, redução de uso e de recursos naturais e, ainda, benefícios repartidos por toda a comunidade.

Mas para que tal modelo seja efetivamente aplicado existe a necessidade de cooperação coletiva. Então, uma característica importante nesse cenário é a colaboratividade. Conhecido como crowdsourcing ou contribuição coletiva, na língua portuguesa.

Em resumo, a prática desse sistema é desenvolvida a partir dos seguintes recursos:

  • Confiança entre contratante e fornecedor;
  • Informações abertas e públicas;
  • Diminuição de desperdício através do produto ou serviço;
  • Compreensão acerca do valor e do acesso ao serviço ou produto; e
  • Racionalização dos artifícios financeiros.

Veja como a economia compartilhada pode fazer parte de qualquer negócio.

Como a economia compartilhada pode ser implementada na minha empresa?

O recurso que sua empresa dispõe não necessariamente precisa se enquadrar nas características da economia compartilhada para você fazer parte dessa inovação. 

Confira algumas das ideias que trouxemos para você implementar na sua corporação e começar a fazer parte desse movimento que tem mudado a experiência que o mundo tem tido.

Verifique quais são seus recursos excedentes

Como você já conferiu anteriormente, a economia de recursos é um pilar da economia compartilhada. Então dê uma conferida em quais os recursos que já estão presentes em sua instituição e pode te ajudar a lucrar sem o investimento de outros novos recursos.

É possível encontrar uma nova utilidade para qualquer coisa, local, material e conhecimentos. 

Digamos que você tenha um espaço ocioso em sua empresa, porque não compartilhar o endereço com outra instituição? Assim, você pode cobrar um valor significativo pelo local e passar a compartilhar o espaço antes não utilizado.

Você pode ir ainda mais fundo, já ouviu falar sobre permuta? Se essa empresa oferecer um produto ou serviço que seja de interesse para sua instituição, vocês podem fazer uma troca.

Seja um conector de pessoas

Ajuda mútua faz parte de vários negócios onde o principal objetivo é criar meios de conectar as pessoas. Plataformas de marketplace são utilizadas para esse plano, por exemplo.

Há espaço de aumentar a lucratividade e, ainda, enquadrá-lo na economia compartilhada. Já pensou em trazer uma nova essência e propósito para seus colaboradores?

Expansão de negócio

Os últimos tempos que temos vivido têm nos mostrado a necessidade de ter uma empresa presente no ambiente digital. E, acredite, expandir o seu negócio também se enquadra na economia compartilhada. 

Quando você leva seus produtos ou serviços até esse mundo, você está fazendo uso de um recurso já existente, não precisa contratar novos funcionários, somente aderir a ferramenta online que hospede seus produtos ou serviços, onde novos clientes poderão fazer suas compras. 

Remodele suas experiências de uso

A lei do desapego tem sido atrativa para muitas pessoas que estão mais preocupadas em acumular experiências do que coisas em si. Na economia compartilhada não é fundamental a compra de algo, ao contrário, é pregada a importância do reuso. 

Existe algum recurso em sua empresa que possa ser compartilhado a outras pessoas ou remodelado em seu uso?

Com essas dicas, você pode e sua instituição podem começar a fazer parte do movimento de economia compartilhada e desfrutar de seus benefícios!