Existem alguns termos do universo empreendedor que geram dúvidas, ainda mais por fazerem parte de estratégias similares. Neste artigo, vamos explicar as diferenças entre governança corporativa e compliance, te ajudando a entender a importância desses dois conceitos na sua empresa e de construir uma imagem positiva no mercado. 

Governança Corporativa e Compliance: as semelhanças e diferenças

A reputação de uma empresa é dos maiores valores, além de vantagem competitiva, que ela pode ter. Uma imagem positiva abre as portas para novos clientes, parcerias de negócios, crédito, entre outros benefícios para a organização. 

Porém, uma boa reputação nunca é construída do dia para noite: é preciso investir em estratégias eficientes para “arrumar a casa” e melhorar sua imagem no mercado.

Isso pode ser feito para o público externo, adotando metodologias como a gestão de marca, desenvolvendo uma identidade positiva da organização perante o público. No entanto, não é somente com os clientes que a empresa deve se preocupar em construir uma boa reputação: ela também deve se concentrar no seu relacionamento com investidores, sócios, colaboradores, parceiros e outros envolvidos na empresa, que também são importantes para o bom funcionamento e futuro dos negócios. 

E é nesse sentido que surgem a governança corporativa e compliance, dois termos que podem causar confusão para alguns empreendedores. É preciso entender como cada um deles funciona, adotando suas ferramentas para melhorar a imagem e resultados da organização. 

Primeiro, é preciso conceituar cada um, antes de entender suas diferenças e semelhanças. 

O que é Governança Corporativa?

Em resumo, governança corporativa são ações aplicadas na administração e que influenciam no relacionamento entre os sócios, conselhos, diretoria, órgãos de fiscalização e outros públicos relacionados aos altos graus da empresa. 

Implementar esse conceito significa adotar um conjunto de boas práticas, fortalecendo a confiança das pessoas interessadas na empresa e seus gestores. São valores que saem do papel e se tornam ações concretas para beneficiar o negócio, melhorando sua importância econômica no mercado.  

Basicamente essas boas práticas contribuem para aprimorar os processos de gestão da empresa, ajudando na tomada de decisões e em outras situações estratégicas. 

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) orienta que esse conceito é guiado por 4 príncipios: 

1- Transparência: representa disponibilizar informações que sejam interessantes pelo público interno da empresa, não se resumindo a apenas aquelas que são definidas por leis ou regulamentos. Essa abertura vai além dos dados financeiros do negócio, englobando também outros que são importantes para o andamento da organização;

2- Equidade: significa tratar todos os sócios e stakeholders de forma igualitária e justa, respeitando seus direitos, necessidades, interesses, expectativas e deveres;

3- Prestação de contas: os envolvidos na governança corporativa devem prestar contas de seu trabalho, tudo de forma clara e correta, assumindo a responsabilidade por suas ações e omissões;  

4- Responsabilidade corporativa: esses mesmos da governança devem trabalhar pela viabilidade econômica e financeira da empresa, considerando seus diversos capitais a curto, médio e longo prazo. 

Esses 4 princípios, em maior ou menor grau, fazem parte das melhores práticas envolvendo a governança corporativa. Eles permitem que a empresa fortaleça seus laços com o público interno, o que pode impactar positivamente na reputação da organização, além do funcionamento da organização como um todo.

Ninguém gostaria de investir em uma empresa que não é transparente ou responsável com seus acionistas ou que tenha dificuldades e conflitos constantes para a tomada de decisão — e a governança corporativa pode ajudar em todos estes e outros problemas que prejudicam o negócio.  

Esse modelo pode ser adotado por empresas de diferentes segmentos de mercado e até mesmo por cooperativas e instituições do terceiro setor. O IBGC disponibiliza para download o Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa orientando as organizações que desejam implementar esse conceito em suas rotinas. 

O que é Compliance?

No mesmo sentido, o compliance também vem contribuir para melhorar a reputação de uma empresa. 

Esse termo, de origem inglesa, vem do verbo “to comply” — que significa cumprir, obedecer, concordar. E o uso dessas palavras não é à toa: compliance é o cumprimento das normas que a empresa e seus envolvidos estão sob influência, nos seus mais variados âmbitos, como ambiental, jurídico, trabalhista, previdenciário, fiscal, contábil, operacional, entre tantos outros. 

Isso significa que todos na empresa — da diretoria aos colaboradores e profissionais contratados — devem seguir corretamente as normas que permeiam seus trabalhos. Um programa de compliance ajuda a identificar, corrigir e evitar situações que vão de encontro às regras e boas condutas.

Adotar o compliance significa fortalecer a ética profissional e empresarial no negócio, trabalhando esse conceito na cultura organizacional e rotinas, realizando auditorias constantes para identificar falhas no cumprimento das normas e desenvolvendo projetos de aprimoramento contínuo.  

Uma estratégia eficiente para implementar uma cultura de compliance é investir em treinamentos corporativos para todo público interno, educando dos colaboradores a diretoria nas melhores práticas de cada esfera relacionada à sua atuação na empresa.   

Adotar o compliance é uma forma de garantir que todas as áreas da organização estejam de acordo com as regras legais e normas que impactem sua imagem diante de diferentes públicos, evitando problemas e mantendo uma boa reputação para os cliente e mercado.

Além disso, todo esse cuidado pode influenciar na melhora no desempenho da empresa, tanto considerando sua produtividade quanto no ganho com uma boa imagem para os consumidores. 

Governança Corporativa e Compliance: uma boa reputação, dentro e fora da empresa

Com todas essas definições, fica claro entender porque há tantas confusões: no fim das contas, governança corporativa e compliance são termos complementares. Ambos ajudam a empresa a ser mais transparente e correta em seus processos, fortalecendo os laços com o público interno e, de forma indireta, até mesmo com o externo. 

O compliance acaba se tornando um elemento fundamental para uma governança corporativa de sucesso, que é uma estratégia mais abrangente do que a do outro termo. Assim, os dois conceitos devem andar de mãos dadas na organização, tornando-a mais correta — do ponto de vista legal — e melhorando a confiança dos stakeholders.

Manter uma boa reputação, seja com o público interno ou externo, nunca é uma tarefa fácil. Uma imagem construída durante anos pode ruir em segundos com apenas um lapso de postura. Quer saber como evitar isso e não perder clientes? Descubra o que é a gestão de marca e como essa estratégia pode beneficiar sua empresa!