Governança Corporativa: o que é e quais os princípios básicos?

06 out 2023

Transparência precisa ser a base da gestão de uma empresa, logo Governança Corporativa e Compliance são assuntos fundamentais

A Governança Corporativa busca determinar as ações de transparência na empresa, qual deve ser o tratamento entre todas as pessoas envolvidas em alguma atividade do negócio (que deve ser igualitário) e o papel de cada um para gerar os resultados esperados, assim como as obrigações que possuem.

A reputação de uma empresa é dos maiores valores, além de vantagem competitiva, que ela pode ter. Uma imagem positiva abre as portas para novos clientes, parcerias de negócios, crédito, entre outros benefícios para a organização. 

Porém, uma boa reputação nunca é construída do dia para noite: é preciso investir em estratégias eficientes para “arrumar a casa” e melhorar sua imagem no mercado.

Isso pode ser feito para o público externo, adotando metodologias como a gestão de marca, desenvolvendo uma identidade positiva da organização perante o público. 

No entanto, não é somente com os clientes que a empresa deve se preocupar em construir uma boa reputação: ela também deve se concentrar no seu relacionamento com investidores, sócios, colaboradores, parceiros e outros envolvidos na empresa, que também são importantes para o bom funcionamento e futuro dos negócios.

E é nesse sentido que surgem a governança corporativa e compliance, dois termos que podem causar confusão para alguns empreendedores. É preciso entender como cada um deles funciona, adotando suas ferramentas para melhorar a imagem e resultados da organização.

Primeiro, é preciso conceituar cada um, antes de entender suas diferenças e semelhanças.

Neste artigo, vamos explicar as diferenças entre governança corporativa e compliance, te ajudando a entender a importância desses dois conceitos na sua empresa e de construir uma imagem positiva no mercado.

Qual é o conceito de governança corporativa?

O Instituto Brasileito de Governança Corporativa conceitua a governança corporativa como um sistema de gestão. Por meio dele, empresas e outras organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas. É um esquema que exige relacionamento entre sócio, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle, bem como das demais partes interessadas.

Ao analisar o termo governança corporativa é possível entender que a palavra “governança” está relacionada ao ato de governar, isto é, administrar por meio de uma gestão robusta; ter poder perante algo; exercer autoridade.

Levando para o contexto corporativo, a governança pode se resumir ao ato de administrar, dirigir, monitorar, orientar, organizar e desenvolver estratégias para tornar a arte da decisão algo assertivo e benéfico para a organização. Mas para que isso aconteça na prática, são adotados no processo dois elementos essenciais: ética e transparência.

O que é Governança Corporativa?

Governança Corporativa se refere a um conjunto de estratégias empresariais criadas com objetivo de demonstrar o valor do negócio para o mercado. Ao dispor de uma governança estruturada, há maiores chances de uma organização obter sucesso na sua jornada, logo estes termos são adotados para auxiliar nesse processo, objetivando a sua melhoria contínua.

Em resumo, governança corporativa são ações aplicadas na administração e que influenciam no relacionamento entre os sócios, conselhos, diretoria, órgãos de fiscalização e outros públicos relacionados aos altos graus da empresa. 

Implementar esse conceito significa adotar um conjunto de boas práticas, fortalecendo a confiança das pessoas interessadas na empresa e seus gestores. São valores que saem do papel e se tornam ações concretas para beneficiar o negócio, melhorando sua importância econômica no mercado.

Basicamente essas boas práticas contribuem para aprimorar os processos de gestão da empresa, ajudando na tomada de decisões e em outras situações estratégicas.

Qual é a finalidade da governança corporativa?

A governança corporativa tem como objetivo aprimorar e otimizar os processos administrativos de uma organização. Ela consegue esse resultado a partir do momento que a empresa passa a observar todas as tomadas de decisão de forma estratégica, levando em consideração que a transparência deve ser pilar em todas elas.

Os objetivos da governança corporativa podem ser resumidos em três:

  1. Aperfeiçoar a cultura organizacional através do alinhamento de interesses e expectativas de todas as partes envolvidas;
  2. Aprimorar de forma contínua todos os processos decisórios de uma empresa, de maneira a assegurar que todas estejam alinhados e garantam os interesses da organização;
  3. Gerar mais transparência, reputação e credibilidade para a corporação, garantindo a aplicação e gestão de um sistema integrativo eficiente e voltado para o gerenciamento de riscos.

Apesar de a governança corporativa está relacionada a esses três objetivos, ela também influencia direta e indiretamente em outros aspectos, como:

  • Guiar, supervisionar e avaliar as fases da administração corporativa;
  • Facilitar a delineação de obrigações dentro das configurações organizacionais;
  • Aprimorar a tomada de decisões de maneira estratégica;
  • Examinar as ameaças do mercado;
  • Ampliar a lucratividade de uma empresa;
  • Aprimorar a eficiência dos procedimentos internos;
  • Regularmente estabelecer padrões nos fluxos de trabalho da equipe;
  • Assegurar a clareza nos processos gerenciais;
  • Inspirar confiança em todos os envolvidos no negócio (partes interessadas).

Quais são os princípios básicos de governança corporativa?

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) orienta que esse conceito é guiado por 4 príncipios: 

  1. Transparência: representa disponibilizar informações que sejam interessantes pelo público interno da empresa, não se resumindo a apenas aquelas que são definidas por leis ou regulamentos. Essa abertura vai além dos dados financeiros do negócio, englobando também outros que são importantes para o andamento da organização;
  2. Equidade: significa tratar todos os sócios e stakeholders de forma igualitária e justa, respeitando seus direitos, necessidades, interesses, expectativas e deveres;
  3. Prestação de contas: os envolvidos na governança corporativa devem prestar contas de seu trabalho, tudo de forma clara e correta, assumindo a responsabilidade por suas ações e omissões;  
  4. Responsabilidade corporativa: esses mesmos da governança devem trabalhar pela viabilidade econômica e financeira da empresa, considerando seus diversos capitais a curto, médio e longo prazo.

Esses 4 princípios, em maior ou menor grau, fazem parte das melhores práticas envolvendo a governança corporativa. Eles permitem que a empresa fortaleça seus laços com o público interno, o que pode impactar positivamente na reputação da organização, além do funcionamento da organização como um todo.

Ninguém gostaria de investir em uma empresa que não é transparente ou responsável com seus acionistas ou que tenha dificuldades e conflitos constantes para a tomada de decisão — e a governança corporativa pode ajudar em todos estes e outros problemas que prejudicam o negócio.

Esse modelo pode ser adotado por empresas de diferentes segmentos de mercado e até mesmo por cooperativas e instituições do terceiro setor. O IBGC disponibiliza para download o Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa orientando as organizações que desejam implementar esse conceito em suas rotinas. 

O compliance também vem contribuir para melhorar a reputação de uma empresa.

O termo Compliance quer dizer “agir conforme a regra”, ou seja, concordar com as leis e regulamentos. No contexto empresarial, esse conceito significa estar em conformidade com as normas estabelecidas pela organização.

Esse termo, de origem inglesa, vem do verbo “to comply” — que significa cumprir, obedecer, concordar. E o uso dessas palavras não é à toa: compliance é o cumprimento das normas que a empresa e seus envolvidos estão sob influência, nos seus mais variados âmbitos, como ambiental, jurídico, trabalhista, previdenciário, fiscal, contábil, operacional, entre tantos outros.

Isso significa que todos na empresa — da diretoria aos colaboradores e profissionais contratados — devem seguir corretamente as normas que permeiam seus trabalhos. Um programa de compliance ajuda a identificar, corrigir e evitar situações que vão de encontro às regras e boas condutas.

Adotar o compliance significa fortalecer a ética profissional e empresarial no negócio, trabalhando esse conceito na cultura organizacional e rotinas, realizando auditorias constantes para identificar falhas no cumprimento das normas e desenvolvendo projetos de aprimoramento contínuo. 

Uma estratégia eficiente para implementar uma cultura de compliance é investir em treinamentos corporativos para todo público interno, educando dos colaboradores a diretoria nas melhores práticas de cada esfera relacionada à sua atuação na empresa.

Adotar o compliance é uma forma de garantir que todas as áreas da organização estejam de acordo com as regras legais e normas que impactem sua imagem diante de diferentes públicos, evitando problemas e mantendo uma boa reputação para os clientes e mercado.

Além disso, todo esse cuidado pode influenciar na melhora no desempenho da empresa, tanto considerando sua produtividade quanto no ganho com uma boa imagem para os consumidores.

Governança corporativa anda junto com compliance

Visto que Compliance é responsável pela conformidade das ações realizadas em uma empresa, ou seja, do cumprimento das regras e normas, a fim de que haja transparência em todas atividades e evite-se qualquer prática ilícita, Compliance trata-se de um pilar para a governança corporativa.

Esses termos estão relacionados porque ambos são adotados como prática para promover a ética corporativa na qual reúne uma série de valores, cultura, condutas e posicionamento de uma empresa perante a sociedade.

Logo, pode-se dizer que governança, compliance e ética são práticas que ajudam a fortalecer a imagem, reputação e transparência de uma corporação, bem como transmitir seriedade e compromisso na administração de todos os seus processos. Isso porque eles reafirmam os valores da empresa, transmitindo, assim, integridade aos stakeholders.

As diferenças entre Governança Corporativa e Compliance

Governança Corporativa e Compliance tem algumas diferenças, mas a principal delas está na relação entre os valores da empresa. Enquanto a responsabilidade do Compliance é cuidar das regras, a Governança Corporativo visa alinhar a mentalidade dos gestores, bem como os processos de gestão.

Logo, existe uma relação entre esses conceitos, apesar disso, eles se diferem porque o Compliance está relacionado à gestão de riscos e às regras. A empresa age conforme as informações e a transparência dos dados.

Governança Corporativa busca melhorar a reputação da empresa. Ela faz isso trabalhando com ética e estrutura, compartilhando sua relevância para os stakeholders. Essa governança é um modelo de gestão voltado para a eficiência e a impessoalidade administrativa, que tem como base a transparência.

A empresa que adota esse título busca compartilhar mais valor e segurança e, assim, gerar uma boa reputação no mercado, para que seu negócio seja atrativo para os investidores.

Assim, Governança e Compliance são conceitos diferentes, mas complementares, que juntos podem colaborar com uma empresa mais íntegra, e melhorar a reputação dela perante todos os públicos, interno ou externo.

Por conta da contribuição desses dois conceitos, cada vez mais negócios têm adotado programas que atuem separadamente, mas de maneira integrada. 

Empresas de qualquer tamanho podem apostar nesses elementos para cuidar da imagem do negócio e garantir que o respeito às leis e a ética sejam características almejadas, tanto pelos gestores como pelos demais colaboradores.

Compliance não seria o mesmo que programa de integridade?

Como você tem visto por aqui, Compliance significa respeitar a lei, adequando seus processos para que atendam às exigências de fornecedores e parceiros. 

Programas de Compliance melhoram o controle dos gestores e ajudam na criação de estratégias que visem alterar processos e mudar o comportamento dos colaboradores de uma empresa, sempre na busca de adequá-la à lei.

Programas de Integridade é considerada uma vertente do Compliance, voltada para a implementação de ações e medidas anticorrupção. Eles têm como finalidade combater desvios, fraudes e demais atos ilícitos que possam acontecer no ambiente corporativo, e levam em consideração a Lei Anticorrupção.

Qual a importância da Governança Corporativa e Compliance?

A empresa que tem uma reputação ruim no mercado, seja qual for o motivo (pelo mau funcionamento, por exemplo), tem dificuldade de atrair investimentos. A falta de capital impacta diretamente na saúde da organização, que pode não sobreviver.

No Brasil, muitos casos de corrupção foram expostos nos últimos anos. As empresas envolvidas são exemplos de problemas na Governança Corporativa, já que os interesses de sócios ou acionistas foram colocados como prioridade, acima, inclusive, do próprio negócio.

O negócio que se preocupa e implementa esses aspectos, garante uma gestão eficiente, que gera valor para a marca e gera sustentabilidade para o negócio. Todos esses aspectos ajuda a:

  • controlar possível abuso de poder existente;
  • prevenir conflitos de interesse;
  • contribui na captação de recursos;
  • trazer visibilidade para a empresa;
  • aumentar o desempenho operacional;
  • diminuir custos;
  • prevenir erros e fraudes;

Quais os maiores desafios da Governança Corporativa

Como qualquer outra mudança voltada para o contexto empresarial, esta também é desafiadora. Veja, agora, alguns dos motivos.

Mudança de cultura

É possível que ao colocar em prática a Governança Corporativa sua empresa precise fazer mudanças no funcionamento e nos processos que são muito comuns para todos os colaboradores, e novas implementações podem não ser bem vistas por eles.

Várias regulamentações

São muitas as leis e diretrizes do Brasil, o que pode dificultar na hora de implementar uma cultura que vá de encontro com todas as regulamentações, legislações e normas. Logo, a equipe responsável precisa estar preparada e atualizada para o desafio que irá surgir. 

Controles internos

As ações de Governança Corporativo, bem como de Compliance precisam estar em todas as áreas de uma organização. É por isso que manter o controle interno talvez seja outro desafio que surgirá ao longo da implementação desses recursos.

A importância dos treinamentos para o Compliance

Governança Corporativo e Compliance são implementações que vem para mudar a cultura da empresa e direcioná-la para processos e práticas mais éticos e transparentes. Para ser possível, é necessário que todos os colaboradores estejam envolvidos e passem por essas transformações.

Logo, é fundamental que a empresa invista em treinamentos corporativos para ensinar seus funcionários a encontrar e compartilhar possíveis desconformidades, motivando-os a combater práticas que vão contra aos novos valores da organização.

Governança Corporativa e Compliance: uma boa reputação, dentro e fora da empresa

Com todas essas definições, fica claro entender porque há tantas confusões: no fim das contas, governança corporativa e compliance são termos complementares. Ambos ajudam a empresa a ser mais transparente e correta em seus processos, fortalecendo os laços com o público interno e, de forma indireta, até mesmo com o externo. 

O compliance acaba se tornando um elemento fundamental para uma governança corporativa de sucesso, que é uma estratégia mais abrangente do que a do outro termo. Assim, os dois conceitos devem andar de mãos dadas na organização, tornando-a mais correta — do ponto de vista legal — e melhorando a confiança dos stakeholders.

Manter uma boa reputação, seja com o público interno ou externo, nunca é uma tarefa fácil. Uma imagem construída durante anos pode ruir em segundos com apenas um lapso de postura. Quer saber como evitar isso e não perder clientes? Descubra o que é a gestão de marca e como essa estratégia pode beneficiar sua empresa!

Como implementar a governança corporativa?

Não há um único caminho a ser seguido quando se trata em adotar e implementar a governança corporativa, mas existem algumas boas práticas que podem te auxiliar nessa jornada. A seguir, você confere algumas delas.

Crie ou fortaleça um conselho admnistrativo

O conselho administrativo é responsável por monitorar o trabalho dos gestores e elaborar as estratégias da empresa. É peça chave na governança corporativa porque ajuda na construção da credibilidade e confiança da empresa perante aos acionistas.

Para que seja um conselho administrativo efetivo, na construção ou reestruturação dele é importante levar em consideração as seguintes questões:

  • Política de gestão de pessoas;
  • Diversidade de gênero e raça;
  • Escolha e avaliação de auditoria independente;
  • Código de conduta.

Disponha de uma hierarquia clara

Para aplicar a governança corporativa, sua empresa deve dispor de uma hierarquia clara; divididas por funções e considerando as habilidades e competências de cada colaborador da empresa.

Desse modo, qualquer funcionário saberá a hierarquia e a quem deve recorrer para definir suas tarefas, assim como elencar suas prioridades.

Reuniões são importantes!

Reunião é uma ferramenta que pode gerar resultados positivos e, o melhor, está acessível a todos. É por meio de reuniões que são compartilhadas as diretrizes, definidos os planos de ação e acompanhados os projetos da empresa.

Através de uma reunião, uma organização é capaz de ter uma melhor visão de seus processos, assim como avaliar e delinear novas estratégias e ações que serão benéficas frente aos resultados, indicadores e metas observadas.

Conselho consultivo específico

Composto por três ou cinco profissionais experientes em diferentes assuntos, com grande vivência no mercado e com anos de carreira, os conselheiros consultivos têm como objetivo auxiliar a empresa em um desafio específico.

A ideia do conselho consultivo específico é otimizar tempo e evitar gastos excessivos de uma empresa.

Pense em um cenário específico em que uma empresa está com o desafio de implementar a governança corporativa, mas não sabe bem quais as melhores práticas adotar e como evitar gastos desnecessários neste processo, então ela tem como ideia recorrer a um conselho consultivo, terceiriza, então, profissionais de diferentes áreas, mas com este foco.

Esses profissionais já estão acostumados a isso, já criaram e implementaram diversas estratégias, em diferentes contextos, então sabem exatamente o que devem fazer para que todo processo seja o mais efetivo possível.

Tenha uma cultura baseada na transparência

Todas as ações da sua empresa devem ser feitas de modo a garantir a transparência interna e externa de tudo o que aconteceu, inclusive das decisões tomadas. Essa característica de ser transparente é um ponto forte que atrai atenção de acionistas e valoriza a sua organização frente ao mercado.

teste por 14 dias grátis

Perguntas Frequentes:

O que é Governança Corporativa?

Governança Corporativa se refere a um conjunto de estratégias empresariais criadas com objetivo de demonstrar o valor do negócio para o mercado

O que é Compliance?

Compliance é o cumprimento das normas que a empresa e seus envolvidos estão sob influência, nos seus mais variados âmbitos, como ambiental, jurídico, trabalhista, previdenciário, fiscal, contábil, operacional, entre tantos outros.


Engaje. Incentive. Inspire.

  • Engajar times
  • Aumentar performances
  • Agilizar a aprendizagem
Mulher em ambiente gamificado se transformando em sereia

Nossas conquistas

  • Selo top 100 ranking open startups
  • Selo top 10 ranking edtechs
  • Selo Startup destaques liga insights edtechs
  • Selo watchlist company
  • Selo boostlab
  • Selo cubo Itaú
  • Selo GESAwards
  • Selo top 100 ranking open startups
  • Selo top 10 ranking edtechs
  • Selo Startup destaques liga insights edtechs
  • Selo watchlist company
  • Selo boostlab
  • Selo cubo Itaú
  • Selo GESAwards
Pular para o conteúdo