Jogos: antes
considerados vilões do ensino, na justificativa de distraírem os educandos,
hoje são vistos como aliados nos processos educativos. Diversas instituições e
até empresas estão adotando a lógica do game como metodologia para
potencializar o ensino e, inclusive, para resolver problemas de aprendizagem. 

Neste artigo vamos
falar sobre como usar os jogos nos processos de aprendizagem para tornar o
ensino mais dinâmico, atrativo e engajador, ajudando assim a superar alguns
problemas enfrentados nesta área. 

Desmistificando o jogo 

Antes os jogos eram
vistos apenas como entretenimento e distração, e até eram associados a vício e
a comportamentos antissociais e violentos. Apesar de alguns preconceitos ainda
existirem e serem propagados equivocadamente, vários estudos e instituições
estão provando que o uso dos games pode ser benéfico em diversos contextos. 

Áreas como saúde,
política e educação estão usando métodos lúdicos de forma inovadora para
resolverem problemas, abrirem novas possibilidades e atingirem objetivos
específicos, adotando os jogos para além da finalidade do puro entretenimento. 

Algumas empresas
estão implementando metodologias como a gamificação no treinamento corporativo e na integração de novos funcionários, enquanto diversas instituições de
ensino estão utilizando essa estratégia nos processos de aprendizagem dos
estudantes. Tudo isso para tornar tarefas que poderiam ser maçantes em
atividades mais dinâmicas e engajadoras. 

Educação e Jogos 

De certa forma, uma
boa parte dos educadores já utiliza jogos em suas aulas, especialmente na
educação física. No entanto, esta atividade geralmente é aplicada uma vez ou
outra, de forma pontual e sem existir um grande planejamento por trás. 

Os jogos são elementos que podem sim contribuir positivamente nos
processos educativos
. Quando bem empregados, eles trazem diversos benefícios na educação,
auxiliando o desenvolvimento cognitivo dos alunos e estimulando ensinamentos
importantes como noção espacial, vocabulário e raciocínio lógico. Sua forma
lúdica atrai a atenção dos estudantes por si só e ajuda na memorização dos
conteúdos ao aliar informação e diversão. 

O uso dos jogos na
educação é bastante democrático: eles podem ser aplicados nas mais diferentes
idades, observando as capacidades de cada faixa etária. Além disso, podem ser
adotados em diferentes matérias, como matemática, história e língua estrangeira,
e até mesmo de forma multidisciplinar. 

Além de ser uma
atividade diferente que quebra a monotonia do uso do quadro-livro-exposição, os
jogos por si só já despertam o interesse natural das pessoas, ainda mais dos
estudantes. Eles possibilitam a realização de atividades de forma dinâmica,
motivadora e proativa, trabalhando indiretamente conceitos como colaboração,
competição, seguimento de regras e superação de problemas. 

Ou seja, adotar os
jogos na sala de aula é uma excelente forma de complementar o ensino tradicional, tornando alguns conceitos mais
palpáveis e memoráveis na cabeça dos estudantes. Além
disso, a utilização de métodos inovadores auxilia a despertar o interesse dos
alunos no aprendizado e, assim, a combater um dos motivos que causa a evasão
escolar – a desmotivação. Este método aproxima ainda mais o ensino dos
educandos, especialmente quando se utiliza plataformas digitais, que já fazem
parte do cotidiano de milhões de crianças, adolescentes e adultos. 

Jogos e problemas de aprendizagem 

Se o jogo pode trazer
benefícios em sua aplicação na sala de aula, imagine como este método pode
impactar positivamente nos casos de alunos com problemas de aprendizagem. 

Esta situação pode
ocorrer por diferentes motivos – desde por questões biológicas, comportamentais
até pelo contexto social e histórico familiar – impedindo o desenvolvimento
escolar do aluno e, às vezes, até prejudicando seu relacionamento interpessoal. 

Os professores e
instituições de ensino devem estar atentos aos comportamentos dos estudantes, pedindo orientação especializada para
identificar e tratar os casos específicos
de problemas de aprendizagem. 

Os jogos, neste
sentido, podem ser usados para estimular algumas áreas, motivar o aprendizado
dos alunos e a fortalecer os relacionamentos interpessoais do estudante.

Várias terapias já
utilizam esta metodologia em seu cotidiano e, de acordo com um estudo, a
utilização desta técnica em sala de aula já deu resultados positivos inclusive
em casos de estudantes com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade
(TDAH)

No entanto, é importante considerar
o caso específico de cada estudante, suas dificuldades, habilidades e
motivações antes de aplicar algum tipo de atividade. Tudo isso deve ser feito
com o acompanhamento de um especialista, para orientar a melhor conduta para
cada contexto.

 

Gamificação e educação 

Uma maneira de adotar
os jogos para resolver problemas de aprendizagem ou para potencializar os
estudos dos alunos é investir em gamificação. Esta estratégia pode ser usada de forma ampla pelas
instituições, aliando a dinâmica dos games com a difusão de conteúdos educativos. 

Basicamente,
gamificação consiste em adotar elementos comuns aos jogos em um contexto que
não se resume ao entretenimento. Itens como pontuação, medalhas e ranking
motivam o participante a buscar melhores resultados dentro da dinâmica para
alcançar um objetivo específico, como aprender novos conteúdos e melhorar seu
desempenho na escola. 

Vamos pensar em uma
aplicação prática: 

Imagine um aluno
estudando matemática em uma plataforma gamificada. À medida em que vai acertando as
questões, ele vai ganhando mais pontos e subindo no ranking, podendo receber
medalhas e até recompensas extras por sua dedicação e bom desempenho.

Ao errar, o sistema
automaticamente apontará seu equívoco e, assim, ele poderá estudar mais este
tema específico e tentar novamente. Desta forma, utiliza-se a lógica da
competição para motivar o progresso do estudante, assim como em um jogo
convencional: só que o auxiliando a estudar e ter melhor performance na escola. 

Agora pense nesse
método sendo aplicado em matérias como geografia e história, contando com um
storytelling – uma narrativa – para ajudar o estudante a mergulhar no contexto
de cada época e, assim, aprender verdadeiramente. Percebe agora como o jogo
pode ser sim um aliado da educação? 

A gamificação é uma
ótima estratégia para tornar conteúdos mais densos e menos atraentes em
informações mais interessantes, memoráveis e mais fáceis de serem assimiladas.
Assim, potencializa-se o método tradicional de ensino, fortalecendo a
aprendizagem dos alunos. 

Além disso, no caso
das plataformas digitais os professores têm acesso a um relatório de desempenho
individual dos alunos, auxiliando-os a identificar quais aprendizados estão
sendo bem assimilados e quais precisam de reforço. 

Por meio dessa
identificação das principais dificuldades de cada indivíduo ou até mesmo de um
grupo de estudantes, é possível elaborar novos conteúdos que ajudam a reforçar
determinada informação. Este acompanhamento da jornada do usuário fornece dados
suficientes para adotar novas abordagens e ajustar o percurso do processo de
aprendizagem ao longo do ensino.  

Quer saber mais sobre
como a gamificação pode contribuir com os processos de aprendizagem? Converse
conosco
e descubra as
potencialidades desta metodologia.