Montar um programa de integração de novos funcionários pode ser um desafio para o RH. Além de capacitar tecnicamente o colaborador para atender às exigências do cargo para qual foi contratado, é preciso acomodá-lo a cultura organizacional e ao ritmo da empresa. E por que não tornar esse processo mais engajador e efetivo ao usar uma metodologia inovadora?

Descubra nesse artigo quais são as vantagens de se adotar um programa de integração inovador na sua empresa e aprimore a sua gestão de pessoas!

Programa de Integração: por que é necessário?

Mesmo o melhor profissional pode ter dificuldades ao começar em uma empresa. É sempre um desafio: ele deve aprender as especificidades do cargo; a forma com que são feitos os processos; se inserir na equipe e nos relacionamentos internos; incorporar a cultura e valores da organização; se encaixar nas demandas e no ritmo do dia a dia… são tantas as mudanças e aspectos que o novato precisa se atentar nessa nova jornada.

Esse processo não acontece de uma hora para outra e também não só depende do recém-contratado. A organização pode e deve ajudá-lo nesse período de transição, dando todo o suporte para que ele possa se familiarizar com a equipe, empresa e cargo, para despertar todo o seu potencial e trazer resultados positivos.

O programa de integração não somente engloba esses aspectos institucionais. Ele também busca capacitar tecnicamente os colaboradores e desenvolver habilidades sociais que serão necessárias para que ele assuma o cargo com competência e se insira na equipe, tendo comportamentos exemplares e que impactem positivamente o ambiente interno. 

A falta de um programa de integração pode gerar diversos problemas, como dificultar a compreensão da cultura organizacional, o entendimento das exigências do cargo e dos processos realizados internamente, despertar insegurança por não deixar claro as expectativas sobre o trabalho do novo colaborador e até mesmo aumentar as chances de rotatividade na equipe, pois esse funcionário poderá não se engajar com a empresa e acabar saindo por não se encaixar ou por não produzir como esperado. 

O programa de integração é fundamental para acolher esse recém-chegado, preparando-o para assumir sua função com segurança e competência. Porém, não adianta investir em uma ação que não seja engajadora – caso contrário, ela será pouco eficiente e trará os mesmos resultados negativos que dissemos acima. 

Programa de Integração: por que inovar?

Algumas empresas já implementam ações para integrar os novos colaboradores. No entanto, nem sempre elas são efetivas. 

Várias organizações usam as clássicas apresentações de slides, com a presença de um profissional do RH explicando a história da instituição – às vezes de forma exageradamente longa -, dando noções sobre o funcionamento interno e departamentos, uma explicação básica sobre o produto/serviço ofertado e uma ou outra informação adicional… mas isso não basta para realizar um bom programa de integração.

Todas essas informações são fundamentais. Entretanto, transmitidas dessa forma podem não ser assimiladas pelos novos contratados, pois geralmente se tornam apresentações monótonas, que não despertam o engajamento e nem oferecem experiências ativas de aprendizagem. Desta forma, acabam não sendo efetivas e não preparando os colaboradores para assumirem suas funções e se integrarem à empresa. 

E se essa é a primeira experiência do colaborador, provavelmente ele não ficará com uma boa impressão da empresa… Por isso pensar em atividades alternativas é uma forma de tornar o onboarding dos novos funcionários mais engajador, dinâmico e atingir em cheio os objetivos da ação: acolher; capacitar e conquistar o novo profissional.

Ideias para montar um Programa de Integração Inovador

Existem algumas ferramentas e metodologias inovadoras que podem ajudar nesse processo, transformando a experiência em um momento verdadeiramente engajador. Vamos conhecer duas opções que podem ser adotadas na sua empresa e trazer bons resultados?

Storytelling

Basicamente, storytelling significa saber contar uma boa história. E toda boa história desperta a atenção, o engajamento e a memorização sobre o fato narrado. Isso torna essa metodologia poderosa, especialmente para empresas.

As práticas do storytelling podem ser usadas de diversas formas no programa de integração. Um exemplo é adotá-las para tornar mais atraente a história da própria organização: em vez de jogar um monte de datas, desenvolve-se uma narrativa sobre a criação da empresa, mostrando as origens, as expectativas e obstáculos que o(s) fundador(es) passaram. Isso gera empatia pela instituição, contribuindo para o engajamento dos colaboradores.

Outra ocasião interessante para se usar o storytelling é na hora de explicar o produto/serviço e seu público-alvo. É possível criar uma história sobre uma pessoa que tem uma necessidade específica que só a sua oferta pode solucionar, mostrando didaticamente como sua empresa se coloca no mercado e até dando dicas de argumentos para fechar uma venda, por exemplo.

Desta forma, o storytelling pode ser usado no programa de integração para torná-lo mais dinâmico, engajador e até mesmo ativo – isso com uma ferramenta praticamente gratuita e extremamente simples de ser aplicada.

Gamificação

Assim como as histórias, os jogos são elementos historicamente e comprovadamente motivadores. E, considerando que suas características tornam-os atividades atrativas e engajadoras, foi desenvolvida a gamificação: uma estratégia que usa esses recursos – como storytelling, pontuação e recompensas – para atingir objetivos concretos. Esse método está sendo aproveitado em várias áreas, como saúde, segurança e política, para alcançar resultados melhores.

O mundo corporativo também começou a observar essa questão. A gamificação está sendo adotada nas empresas em diversos processos como treinamento corporativo, comunicação interna, recrutamento e também no programa de integração de novos colaboradores. 

A gamificação torna esse processo mais dinâmico, engajador e efetivo ao usar os elementos motivadores dos jogos, incentivando os colaboradores a se aprimorar e completar as atividades educativas. Um exemplo dessa questão é criar uma plataforma que explique de forma lúdica as funcionalidades do produto ou possibilidades do serviço ofertado pela empresa, estimulando os funcionários a aprender cada vez mais.

Além disso, o estilo lúdico pode ser usado para aproximar o recém-chegado dos novos colegas e líderes, quebrando o gelo e criando um ambiente mais leve, harmônico e produtivo: afinal, todo mundo fica um pouco tenso ao começar em uma função e emprego diferentes.

Mas estes são apenas alguns exemplos de como essa metodologia pode ser adotada em um programa de integração. Saiba mais como inovar nessa estratégia e baixe gratuitamente o nosso e-book Gamificação no Onboarding de Funcionários!