A rotatividade e absenteísmo são problemas que assolam muitas empresas. Essas situações geram prejuízos financeiros, produtivos e até de capital intelectual, afetando duramente o desempenho das organizações.

Entenda porque a rotatividade e absenteísmo são tão maléficos às empresas, como medir esse problema e o que fazer caso sua organização esteja enfrentando essa situação.

O que são a Rotatividade e Absenteísmo?

Apesar de serem conceitos próximos e ambos voltados à gestão de pessoas, há diferenças entre os dois termos:

  • Rotatividade, ou turnover em inglês, é quando um ou mais profissionais são desligados ou decidem sair por conta própria da empresa e o cargo precisa ser ocupado novamente;
  • Absenteísmo são as faltas, atrasos e saídas constantes do funcionário no ambiente de trabalho, justificadas ou não.

Sendo assim, nos dois casos um funcionário (ou mais) para de exercer sua função – seja temporariamente ou não -, deixando de produzir e gerando maior carga de trabalho para seus colegas, que geralmente assumem uma parte das tarefas abandonadas.

Mas esse é apenas um dos pontos relacionados ao que o absenteísmo e rotatividade representam negativamente a empresa.

Prejuízos causados pela Rotatividade e Absenteísmo

Tanto a rotatividade quanto o absenteísmo geram problemas para a empresa. Vamos começar explicando os impactos das faltas, atrasos e saídas: ao ter menos tempo no trabalho, possivelmente o colaborador irá atrasar suas entregas, realizá-las com menor qualidade do que de costume ou então terá que cumprir mais horas extras para dar conta de todo o serviço – o que irá causar mais gastos com o seu contracheque. 

Além disso, essa conduta pode influenciar a equipe que atua com esse profissional, seja assumindo uma parte de suas funções ou até mesmo imitando sua postura. Ao deixar passar o descumprimento dos horários, é transmitida aos colegas a mensagem de que essa pontualidade não é importante. Imagine como ficará a produção se todos os colaboradores começarem a chegar mais tarde, sair mais cedo, faltar sem justificativa justa…

No caso da rotatividade essa situação é ainda pior. A saída de funcionários e a contratação de novos é algo completamente normal na história de qualquer empresa, de qualquer tamanho e segmento, porém quando isso acontece com uma grande frequência são vários os prejuízos que a organização terá de lidar.

Quando um funcionário sai, ele até pode cumprir o aviso prévio, mas certamente não irá atuar nesse período com a mesma dedicação de antes. E se ele for desligado imediatamente, as responsabilidades de sua função terão que ser delegadas a um colega, sobrecarregando-o até a substituição por outro profissional, consequentemente afetando a qualidade desse trabalho. 

Além disso, todo investimento no treinamento e desenvolvimento desse colaborador sairão com ele, junto com sua expertise, causando prejuízos de capital intelectual – que não são fáceis de serem adquiridos. 

A empresa ainda terá que pensar em realizar um novo processo seletivo ou a realocação de alguém interno para assumir a função, o que gera gastos de recursos, tempo e esforços até encontrar quem teria o melhor perfil para a vaga e treiná-lo para as novas responsabilidades.

Todas as situações implicam em mais custos para organização, seja em novos processos e/ou com as obrigações trabalhistas de quem saiu. Sendo assim, a empresa terá várias dores de cabeça: por conta do dinheiro; trabalho adicional de substituir e treinar quem assumir o cargo e de organizar a demanda.

Possíveis causas do Absenteísmo e Rotatividade em empresas

Sabemos agora dos prejuízos que as organizações têm com essa situação. Porém, somente identificando o problema e suas causas que se é possível resolvê-lo. 

A falta de motivação é algo que causa tanto o absenteísmo quanto a rotatividade. O colaborador que não tem incentivos – além dos financeiros – para exercer sua função dificilmente vai se manter na empresa ou trabalhar com a mesma dedicação de quem está motivado. Outros pontos que costumam desmotivar os funcionários são a liderança falha e o clima organizacional ruim. 

O absenteísmo pode ser causado também por fatores externos à empresa, como problemas familiares e de saúde do colaborador. Nesses casos, é importante dar apoio e agir com empatia em relação a este profissional: isso o tornará mais engajado e fiel a organização mais tarde.

Um recrutamento mal feito ou a falta de treinamento podem gerar a demissão do colaborador por não alcançar os resultados esperados. Contratar alguém que não tenha o perfil técnico e comportamental necessários, nem esteja alinhado ao propósito da empresa, é a receita para esse funcionário não atuar na função da maneira desejada, desperdiçando a chance e o tempo e recursos da organização.  

As constantes faltas, atrasos e saídas podem indicar uma falta de motivação e engajamento no funcionário, que pode gerar a sua saída e aumentar a rotatividade. Por isso os dois conceitos são tão interligados e é fundamental estar atento aos sinais para evitar esses problemas.

Como medir o Absenteísmo e a Rotatividade?

O RH deve sempre sempre acompanhar o desempenho e postura dos colaboradores, registrando as ausências (justificadas ou não), atrasos e saídas fora do horário de trabalho. Esses dados já poderão ajudar a identificar os funcionários que estão apresentando comportamentos frequentes de absenteísmo. Da mesma forma, o setor deve comparar o número de contratações e de demissões para saber se há um grau alto de turnover ou não.

De olho nessas métricas o RH poderá avaliar se há problemas internos que estão causando as faltas, atrasos e até demissões, e assim adotar estratégias para prevenir que se chegue a este ponto.

Como resolver a Rotatividade e o Absenteísmo?

Existem várias ações que o RH pode tomar para lidar com esses dois problemas. Mas, primeiro, deve-se identificar o que está causando-os: faça pesquisas; entrevistas e até conversas informais com os colaboradores que estão com frequência insatisfatória ou que apresentem sinais de desmotivação para entender quais são os pontos que estão tirando sua dedicação ao trabalho.

A partir daí é possível investigar essas causas com mais atenção e adotar estratégias para transformar essas realidades: como investir em treinamento para os líderes, atividades para despertar a motivação e engajamento; processos de recompensa aos bons resultados; metodologias mais efetivas de recrutamento e ações de treinamento e desenvolvimento dos colaboradores. 

O treinamento e desenvolvimento dos colaboradores vai ajudar a aumentar sua motivação e capacitá-los a ter maior produtividade. Descubra a importância de se fazer uma ação de educação corporativa continuada e aumente os resultados da sua empresa!