Muitos RHs estão preocupados em lidar com profissionais da geração X, Y e Z na mesma equipe, tentando descobrir formas de ajudar esses diferentes perfis geracionais a trabalhar em sinergia e gerar resultados para a empresa. E essa tarefa não é nada fácil: se alinhar os comportamentos de pessoas da mesma faixa etária já é desafiador, imagine indivíduos com expectativas e visões de mundo divergentes?

Descubra nesse artigo como unir a geração X, Y e Z na sua empresa, sabendo lidar com cada perfil para evitar conflitos entre esses profissionais.

Geração X, Y e Z: o desafio de uní-las no âmbito profissional

O aumento da expectativa de vida e as frequentes transformações sociais causaram um fenômeno nas empresas: nunca se viu tantas pessoas de faixas etárias distintas em um mesmo lugar. Na época que vivemos, as empresas estão contando com profissionais da geração X, Y e Z nas mesmas equipes, cada um com suas particularidades e expectativas.

Ter profissionais de gerações diferentes pode trazer muitos benefícios às organizações, permitindo uma maior diversidade nas equipes e estimulando a troca de experiências. No entanto, atritos também podem ocorrer justamente por serem pessoas com distintos olhares sobre a vida e que nem sempre se alinham.

Mesmo com várias similaridades – afinal, somos todos humanos -, existem algumas características que acabam separando as pessoas nascidas e criadas em determinado contexto de outras que vivem/viveram cenários diferentes. Entre uma geração e outra muita coisa pode mudar: expectativas; visão de mundo; linguagem; desejos; motivações; formas de aprendizado; ponto de vista a respeito do que é o sucesso; entre outras que formam, muitas vezes, até o nosso modelo mental particular.

Assim, lidar com gerações diferentes – como a X, Y e Z – ao mesmo tempo se tornou um grande desafio para os RHs na atualidade. Essa disparidade geracional pode acarretar em conflitos durante o dia a dia, especialmente por conta de cada faixa etária esperar coisas distintas de seus superiores, colegas e emprego. Mas, não é preciso se descabelar: primeiro é importante conhecer as características em comum que formam esses grupos para saber como se relacionar com eles.

Geração X

São pessoas nascidas entre 1960 e o final do anos 70, que testemunharam o movimento hippie e também o nascimento da internet e das tecnologias que se tornaram populares atualmente. De acordo com a consultoria global McKinsey, geralmente quem pertence a Geração X costuma valorizar status, marcas, carros e artigos de luxo e se comportam de forma individualista, competitiva e materialista.

No documentário All Work and All Play, da consultoria Box1824, os profissionais dessa geração são descritos como super confiantes, extrovertidos, que têm uma ideia positiva a respeito de ser um workaholic (viciado em trabalho) e desejam uma rápida ascensão a uma posição de poder na empresa. 

Ao considerar essas duas concepções, é possível entender como os profissionais dessa faixa etária – agora entre 60 e 50 anos – valorizam estímulos materiais, status e recompensas como promoção.  Isso dá pistas de como trabalhar a motivação desses colaboradores, ao mesmo tempo tendo cuidado com o seu espírito altamente competitivo.

Geração Y

A geração seguinte, popularmente conhecida por millennials, nasceram entre 1980 a 2000 (1995/94, segundo alguns autores). Até agora sua vida foi marcada pela estabilidade econômica, globalização e pela transição do mundo analógico ao digital. A McKinsey caracteriza as pessoas dessa faixa etária como questionadores e orientados a si, que valorizam mais experiências e viagens do que recompensas materiais. 

O documentário All Work and All Play, a Y é caracterizada por profissionais que querem combinar prazer e trabalho, curtir o caminho – em vez de estar sempre aguardando o fim de semana, as férias, a aposentadoria… Gostam de ter feedbacks constantes, para saber como está o seu desempenho, de ter flexibilidade e experiências engajadoras, além de buscarem sim trabalhar com outras gerações – mas com uma relação de respeito mútuo e igualdade.

Desta forma é possível entender que o perfil da geração Y é de profissionais imediatistas, constantemente buscando o retorno de seu desempenho, seja por meio de feedbacks ou recompensas. Precisam de flexibilidade para dar o seu melhor, pois não se sentem confortáveis com regras muito rígidas, e de um propósito para se engajarem na empresa. Proporcionar experiências marcantes é uma forma de motivar essas pessoas. 

Geração Z

Nascidos entre 1995/2000 (dependendo da fonte) a 2010, essas pessoas são as verdadeiras nativas digitais: geralmente não tiveram contato com o mundo 100% analógico e o relacionamento desde cedo com as tecnologias revolucionárias transformou sua visão sobre a vida. A Mckinsey considera este grupo como indivíduos que são pragmáticos, não definem sua identidade com rótulos, buscam ser radicalmente inclusivos e a dialogar com os diferentes. 

O estudo da McKinsey sobre a geração no Brasil revela que, por terem sido criados durante a crise econômica, eles são menos idealistas em relação ao trabalho do que os millennials. Eles preferem estabilidade a salários altos, empregos tradicionais ao estilo de vida freelancer ou de jornada reduzida. Sua relação com as empresas passa por seus valores, o que muda seu comportamento de consumo e de alguma forma também influenciar sua vida profissional.

Assim, a geração Z busca certa estabilidade no emprego, ao mesmo tempo que ele não entre em conflito com seus ideais, querem respeito e valorização a sua individualidade e também usar os recursos tecnológicos ao seu favor

Como unir a Gerações X, Y e Z na empresa?

Para saber trabalhar com todas as gerações é fundamental entender quais são suas semelhanças e diferenças, o que motiva cada uma e o que lhe deixa desconfortável. Um millennial, por exemplo, não quer ser tratado com condescendência pelos seus líderes e colegas, um Z prefere usar recursos tecnológicos para fazer seu trabalho e um X deseja ter reconhecimento por status e material por seu esforço.

É importante que o líder da equipe conheça o que motiva, desestimula e funciona melhor com cada funcionário, seja oferecendo recompensas materiais, experiências ou valorizações individuais. Proporcionar treinamentos e desenvolvimento de habilidades relacionados à resolução de conflitos, diálogo e respeito às diferenças também são ótimas estratégias para que a geração X, Y e Z trabalhem juntas e tragam os resultados desejados pela empresa. 

Quer saber mais sobre como engajar seus colaboradores de diferentes gerações? Confira o artigo Aprenda como motivar os funcionários com métodos inovadores!