Diversas metodologias educacionais vêm sendo implementadas em empresas e instituições de ensino nos últimos anos, cada uma com uma visão diferente. Dentre tantas, a heutagogia oferece uma experiência de aprendizagem mais autônoma e moderna. 

Descubra o que é e como funciona o processo de autoaprendizagem proposto pela heutagogia e aproveite essa metodologia em sua realidade!

O que você vai ver neste artigo:

A Educação na Atualidade

Os métodos de ensino-aprendizagem não são os mesmos de 50 anos atrás: se antes apenas o estilo expositivo dominava as estratégias educacionais, nas últimas décadas novas metodologias começaram a ganhar espaço nas instituições de ensino e empresas em todo o mundo. 

Sala de aula invertida, EAD, gamificação, entre tantas outras metodologias, vêm sendo adotadas nas turmas e em treinamentos corporativos, modernizando a aprendizagem e trazendo uma mudança importante: a postura ativa dos estudantes.

Diversas estratégias educacionais tentam despertar essa conduta para engajar crianças, jovens, adultos e colaboradores nas atividades, fortalecendo sua aprendizagem e gerando mais resultados. 

Em vez de apenas escutar o professor e instrutor, os estudantes aprendem por meio de exercícios mais práticos e que dependem de sua proatividade para aumentar seu conhecimento. Além de estimular maior independência, esse tipo de método ajuda na motivação para estudar — já que os alunos são desafiados a dar o seu melhor.  

Neste sentido, um conceito que surgiu e veio ganhando força nos últimos tempos foi a heutagogia, criado por Stewart Hase e Chris Kenyon.

O que é a Heutagogia?

Enquanto muitas metodologias têm o foco no papel do professor ou instrutor, nesta a luz é toda do estudante: ele tem uma experiência mais autônoma de aprendizagem, buscando o conhecimento por conta própria e usando as metodologias que lhe forem mais vantajosas.

Muitos simplificam a heutagogia com a máxima “é o aprender a aprender”. Ou seja, o estudante detém o poder e protagonismo no seu processo de aprendizagem e, por isso, deve dominar as ferramentas e possibilidades que o farão evoluir em relação a sua educação. 

Isso não significa que a figura do professor e instrutor seria obsoleta nesse modelo. Pelo contrário, eles se tornarão facilitadores no processo de ensino, dando espaço para o estudante ser autônomo, mas estando presente para tirar dúvidas e sempre quando for necessário. 

Esse conceito se tornou ainda mais relevante com a popularização do EAD, pois nesta metodologia, mais do que nunca, é importante a postura proativa do estudante para aprender. Geralmente o aluno consulta os conteúdos educacionais na plataforma a qualquer hora e lugar, montando sua própria rotina de estudos. Não há um horário fixo imposto por uma instituição ou organização, nem alguém cobrando sua produtividade —  ele deve se organizar, cumprir as atividades e buscar o conhecimento por livre e espontânea vontade. 

Desta forma, a heutagogia é um conceito que se alinha às necessidades e realidade dos estudantes na atualidade, ainda mais considerando a importância atual da aprendizagem contínua na vida pessoal e profissional. 

Além disso, o avanço e popularização das tecnologias educacionais vêm contribuindo para o fortalecimento de métodos mais autônomos. Quem muitas vezes não pode arcar com os custos financeiros ou demandas de tempo de um curso regular, pode agora aproveitar as ferramentas como a internet para continuar os estudos de forma independente. 

Mesmo estudantes mais jovens podem aproveitar da heutagogia, estimulando o seu senso de autonomia e responsabilidade. 

As Vantagens da Heutagogia e Autoaprendizagem

Por mais desafiador que pareça ser em um primeiro momento, existem vários pontos positivos para o processo de ensino-aprendizagem na heutagogia. 

Flexibilidade

Por ser responsável por suas atividades educacionais, o estudante tem o poder para escolher os melhores horários para estudar e cumprir suas tarefas. Isso o ajuda a encaixar as aulas e conteúdos na sua rotina pessoal, ainda mais quando se é um trabalhador ou questões particulares exigem maior flexibilidade de compromissos. 

Desta forma, mesmo pessoas que não teriam condições de realizar um curso — profissionais, cuidadores, entre outros — têm a oportunidade de crescer em suas carreiras e vida pessoal devido à liberdade que este conceito educacional traz.

Personalização

A heutagogia é uma das metodologias que mais permite a personalização da jornada de aprendizagem, justamente porque o próprio aluno é responsável por ela. Isso significa que os conteúdos abordados estarão mais alinhados aos interesses e necessidades do estudante.

Em vez de ficar horas estudando algo que pode ser pessoalmente redundante, o aluno pode ir direto nos assuntos que mais são importantes para seu aprendizado.   

Motivação

A mesma liberdade e personalização também são fatores importantes para despertar a motivação dos estudantes. Em vez de ter que ficar horas escutando um professor ou instrutor, sentado em uma cadeira, copiando ensinamentos que talvez não sejam os mais interessantes do ponto de vista pessoal, o aluno deve buscar as informações e realizar as atividades por conta própria — respeitando seus horários, vontades e necessidades. 

Se quiser assistir um vídeo educacional, um infográfico, podcast… não precisa se prender aos materiais que um professor ou instrutor lhe iria oferecer, construindo assim o seu caminho para o conhecimento, inclusive desfrutando de formatos de conteúdo diversificados. 

Habilidades subjetivas

Ser responsável pelo próprio aprendizado é algo que pode incentivar o desenvolvimento de diversas qualidades pessoais, como organização, gestão de tempo, autoconfiança e até mesmo o senso de responsabilidade.

Essas habilidades são fundamentais para a vida profissional e até mesmo pessoal dos estudantes, tornando-os mais proativos e conscientes de suas obrigações. 

Os Desafios da Autoaprendizagem

Por mais benefícios que gere, nem sempre é possível adotar a prática da heutagogia em uma empresa ou instituição de ensino. É preciso que os estudantes tenham maturidade para manter a disciplina e organização necessárias ao estudarem de forma autônoma e contínua, sem se deixarem levar pela correria e cansaço do dia a dia. 

Sendo assim, é importante também usar metodologias um pouco mais tradicionais, seja por um tempo ou de forma complementar, em que haja um caminho claro de estudo para guiar os estudantes ao destino final: o conhecimento e aprimoramento pessoal e profissional. 

E existe uma estratégia, também flexível e com diversidade de estímulos, que pode ajudar nesse processo: aprenda como fazer uma trilha de aprendizagem de maneira efetiva e fortaleça a educação da sua empresa!