Talvez você não conheça o termo “Cultura Maker”, mas provavelmente já tenha ouvido falar das expressões “faça você mesmo” ou “colocar a mão na massa”. Esses termos estão relacionados à cultura maker e são utilizados para representar a busca por soluções criativas e personalizadas.

Esse termo ganhou grande popularidade nos últimos anos e tem sido uma cultura praticada em diferentes contextos e cenários, inclusive no âmbito profissional.

O que você vai ver neste artigo:

Neste artigo, você vai ficar por dentro do significado de cultura maker, o objetivo dessa cultura, sua importância e práticas para implementá-la no ambiente de trabalho. Então, se você se interessa pelo assunto, é só prosseguir com a leitura!

O que é a cultura maker?

A cultura maker tem como objetivo possibilitar que as pessoas tornem realidade suas próprias ideias, criando suas próprias tecnologias, ferramentas e dispositivos em diferentes projetos que contribuam com a sociedade.

Em uma tradução literal para o português, a palavra maker significa “fazedor” e é utilizada para se referir àquele que é capaz de construir e reformular objetos com as próprias mãos. 

Por isso, a expressão pode ser considerada uma evolução do termo DIY – “do it yourself” ou “faça você mesmo”, em português. A diferença é que nesse tipo de cultura, é agregado a tecnologia no processo.

Essa filosofia se originou no final dos anos 1960, inspirada na cultura punk. Isso porque os adeptos a essa cultura tinham um hábito de quebrar regra e criar através dos próprios materiais.

Mas o termo se fortaleceu e recebeu um significado a partir de 2005, com a publicação da revista Marker e do evento Marker Faire, em 2006, que teve a participação de diversos criadores e evidenciou novas formas de produzir e empreender.

Apesar de surgir no ambiente corporativo, a cultura maker não ficou restrita a ele. Desde que apareceu e ganhou notoriedade, ela vem incentivando a criação de ferramentas e aderindo a criativamente e se apropriando de produtos já disponíveis para colocar novas ideias em prática em diferentes áreas.

Objetivo da cultura maker

Na cultura maker há um princípio básico: o aprendizado por meio da prática. Assim, “colocar a mão na massa” é fundamental para aquisição de um novo conhecimento. Logo, o objetivo da cultura maker é tornar a pessoa protagonista do seu próprio desenvolvimento intelectual.

Em resumo, o objetivo é estimular o contato com demais contextos, para que os envolvidos na cultura maker engajem novas soluções e tragam mais dinamismo para o cotidiano atual.

Qual a importância da Cultura Maker?

O fenômeno da cultura maker permite com que os indivíduos se tornem mais autônomos e proativos. Em outras palavras, eles se tornam mais independentes uns dos outros para identificar suas próprias soluções.

No ambiente educacional, por exemplo, os estudantes passam a ter contato com um universo diferente do qual se é mostrado nas escolas tradicionais – em que eles são levados a decorar regras gramaticais, decorar tabuada ou mesmo a tabela periódica.

Na proposta da cultura maker, os discentes têm contato com brincadeiras, jogos de desafio e charadas, que os fazem pensar em soluções para os problemas propostos. Apesar de serem problemáticas hipotéticas, elas estão relacionadas com o mundo e prepara os alunos a enfrentarem o futuro.

Assim também acontece quando implementada a cultura maker no âmbito profissional, os profissionais são instigados a serem protagonistas, resolverem problemas ao invés de levar a ocorrência para o gestor.

jornada-da-gamificacao

Através de técnicas de gamificação, eles aprendem a lidar com práticas desafiadoras, ter criatividade e desenvolver pensamento fora da caixa, características fundamentais para a resolução de problemas atuais, tanto do âmbito empresarial como no mundo em geral.

Com isso, é possível ver que a cultura maker em pouco tempo será essencial para criar e conduzir novos profissionais de modo que eles saibam lidar com a dinâmica desse novo mundo onde tudo é incerto, volátil, ambíguo e complexo.

Como implementar a cultura maker no ambiente corporativo?

Há algumas ações de pedagogia empresarial que podem ser implementadas no ambiente de trabalho, a fim de dar maior autonomia para os colaboradores e para que tenham ferramentas necessárias para encontrar novas soluções.

Mas a principal mudança que deve acontecer, é a de mindset, afinal a cultura maker é uma espécie de filosofia de vida que indica comportamentos e práticas, no caso, de colaboradores que trabalham na empresa.

Deixe as lideranças conscientes

Para inserir a cultura maker no ambiente corporativo, é essencial que a liderança te apoie. Independente do tipo de liderança que a empresa disponha (democrática, liberal, autocrática, entre outros), os gestores precisam dar liberdade e incentivar seus colaboradores a criar.

Balanceie a centralização e a descentralização juntas

É essencial encontrar um equilíbrio entre a descentralização e a centralização no processo de gestão da empresa, pois a descentralização é a primeira etapa para entender os problemas mais facilmente e identificar as soluções deles.

Treine os funcionários

Os profissionais precisam estar engajados com as ideias da empresa e com os demais colaboradores, para que a execução das atividades propostas sejam aderidas por eles, para isso, os treinamentos são essenciais. Afinal, é por meio do treinamento que são compartilhados a metodologia de trabalho e os processos da empresa.

guia-para-aumentar-a-produtividade

Então traçar uma trilha de aprendizagem que foque em mudar a mentalidade e dar mais autonomia aos colaboradores, é outra etapa essencial para a implementação efetiva da cultura maker.

Implemente novas tecnologias

Como viu, a cultura maker utiliza da tecnologia em seu processo, por isso que para implementá-la, é necessário investir em tecnologia que ofereça o melhor para seus colaboradores, como tecnologias que automatizam tarefas e ações manuais.

Examine e reavalie o fluxo de trabalho

Analisar o fluxo de trabalho é importante para identificar possíveis burocracias que podem ser eliminadas por completas ou amenizadas para melhorar o desenvolvimento do trabalho e, ainda, gerar um ambiente mais tranquilo.

Mapeie os processos

Mapear os processos de trabalho, qual a sequência de cada etapa do processo, é uma forma de avaliar o fluxo de trabalho. 

Através dele você consegue ter noção quanto o objetivo do processo, os custos envolvidos, as atividades, os responsáveis, as dificuldades, assim como os resultados esperados. Ou seja, essa prática trará mais clareza para a empresa quanto aos processos que ela dispõe. 

Quer ter acesso a mais conteúdos como este? Então assine nossa newsletters.

 

teste-gratis-por-7-dias
O que é a cultura maker?

A cultura maker tem como objetivo possibilitar que as pessoas tornem realidade suas próprias ideias, criando suas próprias tecnologias, ferramentas e dispositivos em diferentes projetos que contribuam com a sociedade.

Qual a importância da Cultura Maker?

O fenômeno da cultura maker permite com que os indivíduos se tornem mais autônomos e proativos. Em outras palavras, eles se tornam mais independentes uns dos outros para identificar suas próprias soluções.