Ergonomia organizacional: o que é e qual sua importância?

Ergonomia Organizacional
25 jan 2024

Ergonomia organizacional é toda prática que a empresa realiza para gerar benefícios para a saúde dos profissionais e melhorar o clima interno. Diz respeito a ética, as políticas organizacionais, a comunicação, gestão e qualidade nos processos, além de outros aspectos do contexto empresarial.

Investir em ergonomia organizacional é uma ótima ideia para melhorar as condições de trabalho na empresa e, assim, aumentar a motivação e produtividade da equipe. No entanto, muitos ainda desconhecem esse termo e o seu impacto na gestão de pessoas. 

O surgimento do conceito “Ergonomia Organizacional”

A discussão e implementação de conceitos de ergonomia empresarial são recentes, mas problemas relacionados à ergonomia sempre existiram. Para se ter uma ideia, apesar de o termo ter surgido de fato no século XX, há comprovação histórica de que na pré-história já se utilizavam soluções para facilitar atividades no trabalho.

A manipulação de armas para caça e defesa é um exemplo de como ferramentas e instrumentos podiam melhorar o ambiente naquele contexto, característica essa que está totalmente relacionada à ergonomia.

Ergonomia, dessa forma, visa viabilizar a execução de uma determinada tarefa ajustando o ambiente e seus recursos em prol da pessoa e das atividades.

O que é a ergonomia organizacional?

Ergonomia é um termo bastante conhecido e associado à qualidade de vida do colaborador. Basta pensar na palavra que automaticamente vem a imagem da necessidade de montar mesas de trabalho que não causem danos físicos ao trabalhador, com equipamentos e móveis na altura correta, além do uso de acessórios especiais para evitar desgastes nas articulações, coluna e outras partes do corpo dos funcionários. 

Ações como essas são, comprovadamente, benéficas para a saúde dos profissionais, o clima interno e até para a empresa. Afinal, contribuem para aumentar a motivação dos colaboradores e evitar problemas — até legais — para o negócio. 

No entanto, esse é apenas um dos campos deste conceito: existe um termo mais abrangente e igualmente importante — a ergonomia organizacional. Esse conceito se refere à relação do colaborador com seu ambiente de trabalho, buscando o melhoramento das condições para benefício de todos os envolvidos.

Essa questão não se resume a móveis ou a promoção de ginástica laboral, mas sim compreende toda estrutura da empresa. Assim, a ergonomia organizacional abarca áreas como:

  • Estrutura organizacional;
  • Sistemas sociotécnicos; 
  • Processos;
  • Projetos;
  • Políticas internas;
  • Cultura organizacional;
  • Comunicação interna;
  • Clima interno;
  • Relacionamentos;
  • Trabalho em equipe;
  • Ética;
  • Satisfação;
  • Gestão do trabalho;
  • Recursos humanos;
  • Entre outras.

Desta forma, é fácil entender como a ergonomia organizacional é uma área abrangente — compreendendo desde o lado técnico e operacional às relações humanas. Isso também deixa claro como este conceito é importante para o bom funcionamento da empresa e desenvolvimento de uma dinâmica saudável nas equipes. 

Quais os tipos de ergonomia organizacional?

A ergonomia organizacional é um conceito amplo que avalia uma série de fatores, sendo eles ambientais, físicos, organizacionais, cognitivos e outros que possam ser relevantes. 

Por essa razão, ela pode ser classificada em tipos. Estudos atuais rotulam três. Confira, a seguir, quais são eles.

Ergonomia física

A ergonomia física estuda e avalia toda relação entre a anatomia do colaborador, como sua fisiologia, biomecânica e antropometria, com as práticas de trabalho que realiza. São observadas, por exemplo:

  • posturas;
  • manuseio de materiais;
  • movimentos repetitivos;
  • distúrbios musculoesqueléticos.

Ou seja, sabe aquela cadeira não-ergonômica utilizada pelos colaboradores? Aquele headset sem o protetor auricular? Então, todos esses aspectos são levados em consideração na ergonomia física e solucionados, para que o profissional execute seu trabalho sem ser prejudicial para a saúde.

5 Passos para Gamificar sua Empresa

Exemplos práticos

Como mencionado acima, a ergonomia física analisa a estrutura da empresa e como ela foi projetada para garantir a saúde do colaborador. Um exemplo simples - também já comentado por aqui - é a cadeira que ele utiliza todos os dias. 

Sua empresa pode avaliar se a cadeira possui regulagem para permitir a postura correta e, assim, evitar possíveis problemas na coluna.

É importante mencionar que o trabalho da ergonomia física não se restringe apenas a avaliação do ambiente e dos objetos, ela também tem o papel de conscientizar e orientar, a fim de preservar a saúde física dos colaboradores. 

Ergonomia organizacional

A ergonomia organizacional está relacionada ao clima empresarial, a cultura, bem como aos processos e políticas de uma empresa. Alguns aspectos considerados nesse contexto são:

  • Trabalho em equipe;
  • Gestão de qualidade;
  • Fluxos de comunicação;
  • Tempo de trabalho;
  • Iniciativas colaborativas.

Exemplos práticos

A ergonomia organizacional serve para avaliar e conscientizar a empresa acerca do seu modelo de gestão e do fluxo de trabalho que possui, apontando mudanças que gerem melhoria nesses aspectos. 

A ergonomia organizacional vê as pessoas como parte de um sistema e, portanto, implementa estratégias para que ele funcione corretamente. Uma das práticas adotadas aqui é o feedback, propostas novas formas de trabalho, políticas e mais.

Ergonomia cognitiva

A ergonomia cognitiva - como o nome já dá a entender - está relacionada aos processos mentais, como memória e raciocínio dos colaboradores. Ela diz respeito a:

  • Confiabilidade humana;
  • Pressão e estresse no trabalho;
  • Tomada de decisão;
  • Interação humano-máquina.

Práticas ergonômicas cognitivas podem envolver ações com treinamento e desenvolvimento de colaboradores, por exemplo. A seguir, veja mais detalhes.

Exemplos práticos

As estratégias para implementar esse tipo de ergonomia estão relacionadas ao treinamento e desenvolvimento de colaboradores. A intenção aqui é oferecer aos profissionais o conhecimento, ou seja, as competências necessárias para desempenhar suas tarefas de forma efetiva e inteligente, para que esforços sejam poupados.

A ergonomia cognitiva também está relacionada à criação de estratégias e ações que melhorem as relações entre líderes e colegas. Podem ser práticas de boa convivência ou mesmo políticas que visam a saúde mental e o bem-estar dos funcionários.

Para resumir, a ergonomia física cuida do funcionamento orgânico do ser humano, a organizacional dos estímulos externos no ambiente corporativo e a cognitiva trabalha a relação mental e emocional entre o colaborador e o trabalho.

Qual é o principal objetivo da ergonomia organizacional?

A ergonomia organizacional é implementada com o objetivo de prevenir acidentes, solucionar possíveis lacunas e diminuir riscos. Preocupar-se com essa questão é uma maneira de melhorar o conforto no ambiente de trabalho, garantir a saúde dos colaboradores e proporcionar o máximo de segurança possível para todos na empresa.

Esse objetivo pode ser alcançado por meio de diferentes estratégias e envolve uma série de análises, tais como:

  • Avaliação da postura e dos movimentos corporais dos colaboradores;
  • Análise dos equipamentos e ferramentas utilizados; e
  • Investigação dos aspectos estruturais do ambiente de trabalho.

O olhar crítico da ergonomia organizacional sugere intervenções para informar, sensibilizar e corrigir problemas. Com isso, a empresa experimenta um aumento da eficiência organizacional, o que se reflete em outros aspectos, como a produtividade e os lucros.

Para compreender melhor o objetivo da ergonomia organizacional, é importante conhecer as principais áreas em que essa prática pode ser aplicada. Elas se resumem a quatro campos:

  • Projeto de espaços de trabalho: A abordagem da ergonomia organizacional em relação aos espaços de trabalho visa garantir o conforto, a eficiência e a segurança para os profissionais. Nesse caso, consideram-se a disposição dos móveis, a ventilação, a iluminação e a temperatura do ambiente.
  • Análise de tarefas: A preocupação da ergonomia organizacional nesse contexto se concentra em observar as tarefas realizadas pelos colaboradores e desenvolver meios para torná-las mais seguras e eficientes. Isso pode envolver a simplificação de processos, a implementação de novas tecnologias ou a adoção de ferramentas ergonômicas.
  • Gestão de recursos humanos: Nesse aspecto, a ergonomia organizacional leva em consideração as necessidades dos funcionários. São elaboradas políticas de saúde e segurança, além de fomentar um ambiente de trabalho saudável, entre outras práticas.

  • Comunicação e cultura organizacional: Todas as práticas da ergonomia organizacional refletem, mesmo que implicitamente, na cultura organizacional da empresa. No entanto, é possível implementar medidas que busquem aprimorar esse aspecto específico, como a criação de campanhas para compartilhar os valores e objetivos da organização, promover a Segurança Psicológica, implementar uma cultura de feedback, construir um ambiente colaborativo, entre outras ações.

A Importância da Ergonomia Organizacional

Essa questão não é um luxo ou algo supérfluo: investir na ergonomia organizacional é uma estratégia vantajosa tanto para os colaboradores quanto para a própria empresa — e por diversas razões.

Qualidade de vida

Se a ergonomia física já gera benefícios para a saúde do colaborador, imagine aplicar essa lógica a uma esfera maior. Esse conceito ajuda a impactar positivamente o ambiente de trabalho, adequando diversas frentes para melhorar a qualidade de vida dos profissionais na empresa. 

A ergonomia organizacional também ajuda na redução de riscos e de problemas no trabalho, que prejudicam a saúde — inclusive mental — dos colaboradores, a motivação, o engajamento e a dinâmica interna. 

Nesse sentido, há a diminuição de outros índices negativos, como afastamentos e absenteísmo, que impactam a produtividade e o clima na empresa. 

Motivação e engajamento

Ao melhorar a qualidade de vida, a ergonomia organizacional também contribui para fortalecer dois elementos importantes: a motivação e o engajamento. Sem eles, os profissionais não conseguem se dedicar ao serviço e serem produtivos como deveriam. 

O cuidado com a saúde e condições de trabalho faz os colaboradores se sentirem valorizados, fortalecendo assim sua motivação e engajamento, além de contribuir para melhorar o clima organizacional.  

Produtividade

Todos esses itens acabam colaborando, mesmo que indiretamente, para aumentar a produtividade dos profissionais. Um ambiente saudável e motivador permite com que os funcionários estejam mais dispostos e confiantes a realizar seu trabalho, inclusive melhorando a qualidade do seu serviço. 

Assim, cuidar da motivação e bem estar dos funcionários é uma forma de aumentar a produtividade da equipe e, assim, os resultados do negócio. 

Retenção de talentos

Um dos maiores problemas que as empresas enfrentam é a alta rotatividade e perda de talentos. Isso traz prejuízos produtivos, financeiros e intelectuais a um negócio, que precisa se empenhar novamente no esforço de encontrar, contratar e treinar novos funcionários para ocupar a posição vaga. 

Um clima saudável estimula a motivação, engajamento e produtividade dos colaboradores — fatores que ajudam os talentos a se manter na empresa. Se o emprego é satisfatório, não há motivos para sair e, pior, ir para a concorrência. 

Desta forma, os talentos se mantêm na organização e a ajudam a lutar por seu sucesso. 

Todos esses pontos mostram como a ergonomia organizacional é uma estratégia que pode gerar bons frutos na empresa, fortalecendo o seu interior para aumentar os resultados com o público e o espaço no mercado. 

No entanto, mesmo conhecendo os benefícios, muitos têm dúvidas a respeito de como implantar esse conceito em um negócio. 

Como a ergonomia organizacional beneficia uma empresa?

Os programas de ergonomia impactam positivamente no bem-estar e saúde de todos os trabalhadores de uma empresa, pois são práticas aplicadas a fim de minimizar os impactos das atividades do trabalho, através do cuidado com a saúde física e mental, visando conforto e segurança  de todos.

Trazer esse olhar para a saúde do colaborador, é uma maneira de avaliar possíveis mudanças no ambiente de trabalho, a fim de corrigir situações que causam desconforto, fadiga excessiva, dor e, até mesmo, afastamento.

Lembre-se: Um colaborador bem garante a eficácia do seu trabalho e maior produtividade. Esses são somente alguns dos retornos positivos que o programa de ergonomia pode proporcionar. Sem contar que cada área conta com seus próprios benefícios. Veja, a seguir, outras vantagens que achamos interessantes e gostaríamos de compartilhar com você.

Aumento da produtividade

Na introdução deste capítulo, você recebeu uma dica de que a ergonomia melhora a produtividade dos colaboradores. No entanto, é importante entender por que ela gera esse benefício.

Ao se comprometer em aprimorar as condições de trabalho dos colaboradores da sua empresa, torna-se mais fácil para os profissionais desempenhar as atividades rotineiras e lidar com as situações inerentes ao cenário profissional.

Quando as condições de trabalho, incluindo ambiente, pessoas e cultura organizacional, são saudáveis, as pessoas se sentem confortáveis tanto psíquica quanto fisicamente, estando mais propensas a explorar todo o seu potencial.

Clima organizacional favorável

É um efeito em cadeia: a facilidade para realizar atividades e executar suas funções faz com que o profissional tenha menos problemas com ansiedade e estresse decorrentes do ambiente de trabalho. Com isso, o colaborador consegue se relacionar melhor tanto com seus líderes quanto com seus colegas de trabalho.

Isso resulta em um clima organizacional mais saudável e em maior fluidez na produção. A pressão diária também sofre mudanças, sendo minimizada a um nível em que as interações passam a ser favorecidas, tornando o ambiente mais leve.

Trabalhadores satisfeitos

Ter trabalhadores satisfeitos é uma consequência de todos os outros benefícios que a implementação da ergonomia no trabalho pode proporcionar. Logo, esse efeito ocorre devido às condições confortáveis e seguras que o profissional passa a ter.

Além disso, ele percebe a preocupação da empresa para com seu bem-estar físico, mental e emocional, o que faz com que passe a valorizar o lugar onde se encontra.

Menos riscos de acidentes e doenças ocupacionais

A principal função da ergonomia organizacional é criar um ambiente no qual os riscos de acidentes e doenças ocupacionais sejam minimizados. A preocupação vai desde a altura da mesa de trabalho até a maneira como o trabalho é realizado.

Antecipar possíveis acidentes e doenças reduz a chance de que eles ocorram.

Não é necessário muito esforço para alcançar isso, pois existem vários recursos utilizados para adaptar o ambiente e garantir a diminuição de doenças ocupacionais, bem como outros problemas relacionados.

Redução no número de atrasos e faltas

Um benefício indireto causado pela ergonomia organizacional é a redução no número de atrasos e faltas. Você sabia disso? Sabe por que isso acontece? Porque os colaboradores se sentem menos esgotados em suas funções e atividades, conseguindo cumprir melhor seus horários.

Além disso, a minimização de riscos de acidentes e doenças ocupacionais influencia na queda brusca do índice de absenteísmo da empresa, uma vez que terá profissionais saudáveis, sem necessidade de consultas médicas recorrentes ou de licenças para cuidar da saúde.

Redução no número de pedidos de demissão

Já mencionamos por aqui que a ergonomia é um grande fator responsável por aumentar a satisfação dos colaboradores no ambiente de trabalho, e, contanto, minimiza o número de pedidos de demissão.

O profissional não tem interesse em deixar um emprego que valoriza sua qualidade de vida e garante todos os recursos necessários para trabalhar com segurança e saúde.

Menos riscos de problemas emocionais

A saúde física está interligada à saúde mental e vice-versa. Pensar e implementar medidas para melhorar a ergonomia é também uma forma de investir nos aspectos psicológicos do trabalhador.

Direta ou indiretamente, os riscos de transtornos emocionais causados pela falta de recursos para realizar tarefas ou pelo desinteresse da empresa no bem-estar de sua equipe são minimizados.

Como adotar a Ergonomia Organizacional?

É interessante pontuar que existem vários tipos de ergonomia. As principais são:

  • Ergonomia física: a mais conhecida, que envolve os cuidados com a saúde e conforto para evitar doenças ocupacionais e desgaste dos colaboradores. Ginástica laboral, cadeiras e equipamentos ajustados ao tamanho do funcionário e acessórios especiais são alguns dos itens e medidas dessa categoria;
  • Ergonomia cognitiva: é ligada à saúde mental dos profissionais e trabalha questões como emoção, memória, raciocínio, percepção e cognição. A diminuição do estresse e a melhora no uso dos equipamentos são considerados neste item.

Alguns consideram também a existência da ergonomia participativa, que seria o planejamento e gestão da qualidade dos processos da própria ergonomia na empresa, contando principalmente com a cooperação das lideranças nesse trabalho. Ou seja, é um comitê que garante a implementação e conscientização na organização a respeito do tema. 

Esse grupo pode ser uma grande ajuda ao adotar a ergonomia organizacional, juntando ideias e estratégias para melhorar o ambiente e condições de trabalho. Algumas questões são reguladas por meio de legislações e regras específicas — como a NR 17 (Norma Regulamentadora, do Governo Federal) — e devem ser atendidas pelos profissionais da área técnica. 

Todas as ações podem ser avaliadas por indicadores de clima interno, motivação, percepção e satisfação dos colaboradores e envolvidos na empresa, descobrindo os pontos problemáticos que estão prejudicando a dinâmica e aqueles que são positivos na organização. 

Mas, além da ergonomia, existem outras estratégias que uma empresa deve investir para melhorar a qualidade de vida, produtividade e serviço dos colaboradores e potencializar os seus resultados. 

E promover a educação dos funcionários pode ser uma grande parceira para se alcançar essa meta: conheça a aprendizagem organizacional e como aplicá-la para melhorar a gestão de pessoas da sua empresa!

teste por 14 dias grátis

Perguntas Frequentes:

O que é Ergonomia Organizacional?

Ergonomia organizacional é toda prática que a empresa realiza para gerar benefícios para a saúde dos profissionais e melhorar o clima interno. Diz respeito a ética, as políticas organizacionais, a comunicação, gestão e qualidade nos processos, além de outros aspectos do contexto empresarial.

Qual a importância da Ergonomia Organizacional?

Existem alguns motivos para essa importância, são esses:

-Qualidade de vida;
- Motivação e engajamento;
- Produtividade;
- Retenção de talentos.



Engaje. Incentive. Inspire.

  • Engajar times
  • Aumentar performances
  • Agilizar a aprendizagem
Mulher em ambiente gamificado se transformando em sereia

Nossas conquistas

  • Selo top 100 ranking open startups
  • Selo top 10 ranking edtechs
  • Selo Startup destaques liga insights edtechs
  • Selo watchlist company
  • Selo boostlab
  • Selo cubo Itaú
  • Selo GESAwards
  • Selo top 100 ranking open startups
  • Selo top 10 ranking edtechs
  • Selo Startup destaques liga insights edtechs
  • Selo watchlist company
  • Selo boostlab
  • Selo cubo Itaú
  • Selo GESAwards
Pular para o conteúdo