A gestão de competência é uma ferramenta de desenvolvimento de talentos de uma corporação. Por meio dela é possível realizar avaliações de desempenho, conduzir o aperfeiçoamento do colaborador de acordo com os gaps de competências encontrados e, ainda, explorar as necessidades específicas para o desenvolvimento do negócio.

Por ser uma ferramenta de gestão, ela está bastante relacionada às estratégias do novo RH, mas por ser uma atividade nova para a área, é comum que estes profissionais tenham dúvidas e dificuldades em entender a importância de implementar esse recurso na empresa.

Neste artigo, nós vamos compartilhar tudo acerca da gestão de competências. Você vai saber o que é, qual sua importância e as modificações que ela pode proporcionar em sua empresa. Assim, você terá todos os recursos que precisa para colocar em prática.

O que significa gestão de competências?

Antes de entender o que o termo significa, é importante ter definida a ideia de competência. 

Uma competência é um conjunto de comportamentos, habilidades e conhecimentos que influenciam no sucesso de um indivíduo e, consequentemente, na atuação dele na organização. Trabalho em equipe, integridade e comunicação são algumas das competências que podemos usar como exemplo.

Já a gestão por competências é uma necessidade atual que tem tomado grandes proporções nas corporações. Nessa metodologia de gestão, o RH investiga quais os conhecimentos, atitudes, habilidades e gaps dos profissionais de sua corporação. 

Através dessas informações, a área desenvolve estratégias para analisar, identificar e gerir os trabalhadores de acordo com seus perfis profissionais, com destaque nos pontos de excelência e nos que devem ser aperfeiçoados, ajudando os colaboradores a cumprirem as metas e objetivos estabelecidas pela empresa.

Nesse tipo de gestão, as aptidões são separadas em três, sendo elas: organizacionais, técnicas e comportamentais. Saiba um pouco sobre cada uma delas.

Competências Organizacionais

Competências organizacionais são habilidades, atitudes e conhecimentos que constroem uma marca autêntica para uma empresa. Esse conjunto influencia no desempenho da corporação porque está relacionada ao diferencial competitivo dela diante do mercado.

Pode-se dividir essa competência em básica e essencial. Nas competências básicas encontram-se as capacidades cruciais para manter a empresa ativa. Já nas competências essenciais incluem-se aquelas competências utilizadas para criar uma vantagem competitiva.

Competências técnicas

Competências técnicas equivalem às habilidades e conhecimentos obtidos pelo profissional para exercerem melhor sua função através de metodologias e ferramentas, e podem ser obtidas através de educação formal ou informal. Essas competências são características básicas para que o colaborador possa desempenhar suas atividades de forma efetiva.

Alguns exemplos de competências técnicas são formação acadêmica, informática e tecnologia, idiomas e cursos. O profissional também pode possuir diversos níveis de conhecimento (elementar, básico, fundamental, sólido e profundo) em cada uma delas.

Competências comportamentais

Competências comportamentais significam comportamentos e atitudes dos profissionais no ambiente de trabalho. Ações que motivam os colaboradores a colocarem em prática seus conhecimentos técnicos e que contribuem para a execução de seu trabalho. 

Trabalho em equipe, motivação, criatividade, comunicação, aprendizado contínuo, negociação e empatia são alguns exemplos de competências comportamentais.

Qual o papel do RH na gestão de competências?

O novo recursos humanos torna-se responsável em investigar as necessidades da empresa, e através dessa informação, promover qualificações tanto técnicas como comportamentais para os colaboradores.

Isso é, as competências que são interpretadas como indispensáveis para estratégia da empresa são conferidas, se os colaboradores não disporem delas, o RH precisa tomar providências para que esses profissionais as desenvolvam. Caso isso não aconteça, pode haver o desligamento de funcionários e a contratação de novos que possuam as qualificações necessárias. 

A área de Recursos Humanos é encarregada dessa função por ser o setor mais estratégico que uma empresa pode possuir. Isso porque quando se trata sobre conhecer a cultura empresarial e todos os profissionais que atuam na empresa, é o RH quem detém desse tipo de informação.

A importância de gestão de competências

No modelo de gestão tradicional é comum que os cargos de diretoria desenvolvam os objetivos estratégicos. Acontece que nesse retrato não são levadas em consideração as competências necessárias para o cumprimento das metas ali definidas.

O trabalho da gestão de competências é, então, alinhar essas metas com a performance que o time da empresa possui.

O colaborador é parte essencial para o cumprimento dessas metas. Ele é quem dispõe de suas aptidões, competências e experiências, então pensar nessa etapa é um fator crucial e determinante para alcançar metas. Quanto maior for o nível de competência do colaborador, maior será a performance da empresa e a facilidade para alcançar a meta.

Considerando esse ponto de vista, não trabalhar com a gestão de competência torna a empresa menos competitiva no mercado.

As modificações que a gestão de competências pode proporcionar

A gestão de competências afeta diversas questões no ambiente de trabalho. Isso porque a avaliação e o desenvolvimento das competências dos colaboradores estão relacionados a investimentos que a empresa deve realizar. Logo, promover esse método no ambiente empresarial é uma forma de nutrir talentos que, no futuro, poderão assumir cargos de liderança, conduzindo o negócio com profissionais demasiadamente capacitados.

Essa é uma perspectiva de longo prazo, mas é possível ver as mudanças que a gestão de competências pode proporcionar também em um curto período de tempo, através da melhoria operacional.

Além disso, através da gestão de competências é possível reconhecer o perfil natural de cada colaborador, dispondo de informações fundamentais para o desenvolvimento de um plano estratégico e posicionamento desse profissional em um setor onde ele será totalmente aproveitado e eficiente.

Em resumo, pode-se dizer que a gestão de competências:

  • Muda os processos seletivos;
  • Transforma a atuação do RH no ambiente de trabalho;
  • Expõe a necessidade de controle, análise e mensuração das competências dos colaboradores;
  • Altera os critérios de avaliação realizados pelo RH;
  • Enfatiza a necessidade treinamento e qualificação;
  • Valoriza o aperfeiçoamento contínuo;
  • Valoriza a cultura da empresa; e
  • Reconhece as competências da organização.

Se você quer aprimorar o conhecimento acerca desse assunto, confira também o texto “O que é, como identificar e resolver os gaps de competências”.