Como alinhar a gestão 3.0 a cultura organizacional?
Negócios

Como alinhar a gestão 3.0 a cultura organizacional?

Preencha seu email e receba conteúdos exclusivos
Obrigado pelo seu cadastro!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

O mundo dos negócios passou por diversas transformações nas últimas décadas. Muitas noções tradicionais não conseguem mais suprir as necessidades das empresas atualmente, dando espaço à visões mais flexíveis e inovadoras. Entre essas novidades está o conceito de gestão 3.0: um modelo mais ágil de empreendedorismo e que quebra diversas fórmulas consagradas na área. Porém, para que ele funcione, é preciso atentar-se à cultura organizacional.


Neste artigo vamos te explicar como funciona a gestão 3.0 e sua relação com a cultura organizacional, para que você saiba como implementar esse conceito de forma bem sucedida.


O que é Gestão 3.0 e como ela funciona?


Esse modelo é completamente diferente do que o estilo tradicional estabeleceu. O método considera a gestão da empresa como uma rede complexa - e não algo hierárquico como acontece na grande maioria das instituições -, tendo como foco as pessoas, seus comportamentos e relacionamentos. Desta forma, a organização direciona seus esforços principalmente em seus colaboradores, e não apenas no desenvolvimento de seus produtos e serviços.


O conceito foi criado pelo empreendedor, escritor e palestrante holandês Jurgen Appelo, que lançou o livro Management 3.0 - Agile Developers, Developing Agile Leaders em 2011. Como o nome indica, esse modelo de gestão está atrelada às ideias da Metodologia Ágil, só que voltadas ao capital humano da empresa.  


Em suas teorias, Appelo divide os conceitos de gestão em três versões:


  • Gestão 1.0: é o modelo tradicional, no qual as decisões são hierárquicas (tomadas de cima a baixo). Esse modelo também é conhecido como “comando e controle”, com o poder nas mãos de poucos e limitada liberdade de criação.


  • Gestão 2.0: é uma espécie de 1.0 melhorado. O foco agora são as técnicas (não a hierarquia, como no anterior), criando soluções como Six Sigma, Gestão de Qualidade Total (TQM em inglês), Balanced Scorecard (BSC) e outras metodologias.


Nesse cenário, a Gestão 3.0 é uma quebra dos paradigmas estabelecidos nas versões anteriores, que ainda consideram os gestores e cargos superiores como os tomadores de decisões. Ao entender a organização de forma complexa, o autor buscou uma representação visual que aproxima-se de um monstro (em vez de círculos ou outras formas geométricas), com ramificações que indicam os seis princípios desse conceito.


  1. Energizar Pessoas: as pessoas são o foco da empresa. Por isso, a organização (e gestores) devem sempre se esforçar para  manter os colaboradores motivados, engajados e criativos.


  1. Empoderar Equipes: nesse conceito os funcionários devem ser auto-organizáveis. Para isso, precisam ter a confiança e liberdade dos gestores para agirem em diversos casos de forma autônoma.


  1. Alinhar Restrições: apesar de empoderar, ainda sim é preciso colocar alguns limites para as equipes, evitando que toda essa liberdade acabe se tornando prejudicial à empresa e colaboradores. É importante estabelecer um objetivo central e metas em comum, dando aos seus funcionários propósitos claros.


  1. Desenvolver Competências: para a empresa ter sucesso é fundamental que os colaboradores sejam capacitados tanto nas hard quanto soft skills e isso é ainda mais importante nesse modelo focado em pessoas. Portanto é essencial investir no desenvolvimento dos funcionários, tornando-os mais competentes.


  1. Crescer a Estrutura: todo empreendedor sonha em fazer seu negócio crescer e, neste modelo, isso é feito de forma consciente e com foco na qualidade.


  1. Melhorar Tudo: o aprimoramento constante é chave nesse conceito. Os erros e falhas devem ser encarados como oportunidades para tornar a gestão, pessoas, processos, produtos/serviços cada vez melhores.


Assim como a Gestão 3.0, a Metodologia Ágil também valoriza a autonomia dos colaboradores, tornando-os autogerenciáveis para atingir os objetivos e metas preestabelecidos. Esses são dois pontos que evidenciam a ligação entre os dois conceitos.


Gestão 3.0 e Cultura Organizacional


Todos esses conceitos parecem bonitos em teoria, mas, como fica na prática? Como a cultura organizacional pode influenciar na adoção da Gestão 3.0?


De acordo com o 12th Annual State of Agile Report da CollabNet e VersionOne - relatório anual da Metodologia Ágil (referente ao ano de 2018) - a cultura organizacional é um fator essencial no processo de se adaptar e escalar a Metodologia Ágil nas empresas, conclusão já encontrada nas pesquisas anteriores.


O documento revela que os três desafios mais significativos na hora de implementar esse conceito são a cultura organizacional ser conflitante com as ideias dessa metodologia (53% dos casos da pesquisa), a resistência interna à mudanças (46%) e falha da gerência ao apoiar e patrocinar essa ideia (42%).


Desta forma, fica claro o papel importante da cultura organizacional ao adotar um modelo de gestão tão diferente dos que geralmente são implementados nas instituições. Apenas considerando os resultados do relatório é possível tirar algumas ideias:


Primeiro, implementar a Gestão 3.0 na empresa com uma cultura organizacional que não esteja alinhada aos seus princípios - como liberdade, foco nas pessoas e desenvolvimento dos colaboradores - pode ser um processo desafiador.


Por isso, é importante cultivar um ambiente que seja aberto à mudanças e preparar a instituição para uma metodologia completamente diferente. Além disso, os gestores têm um papel fundamental para adotar esse modelo, ajudando a dar suporte às transformações propostas, motivando sua equipe e incentivando sua autonomia.


O RH deve realizar um trabalho eficiente para mudar a cultura da empresa, educando os colaboradores, treinando as lideranças e dialogando com a diretoria, alinhando com todos às transformações que ocorrerão com a implementação da Gestão 3.0.


Conclusão


A gestão 3.0 é um modelo que veio inverter a lógica das empresas e instituições. Com um relacionamento menos hierárquico e mais horizontal, esse conceito prioriza a independência e autogestão dos colaboradores - e, para que sua implementação seja bem sucedida, a cultura organizacional deve refletir e estimular esses valores, dando mais liberdade e atenção aos funcionários.


Nesse sentido, uma dica é investir em inovação até mesmo nas ferramentas utilizadas pela organização, buscando novas metodologias para motivar, engajar e capacitar seu público interno. Uma estratégia que pode ajudar nesse processo é a gamificação. Essa técnica alia elementos lúdicos com objetivos concretos, como aprender novas habilidades e aumentar a produtividade.


Considerando os princípios da Gestão 3.0, a gamificação pode ser uma boa parceira para melhorar a motivação e engajamento dos colaboradores na empresa, além de tornar os treinamentos corporativos (fundamentais para capacitar tecnicamente e desenvolver pessoalmente sua equipe) mais dinâmicos e eficientes - inclusive para as lideranças.


Quer saber de mais dicas de métodos inovadores para sua empresas? Confira mais artigos no nosso blog e aumente os resultados da sua organização.


No items found.
Veja outros conteúdos sobre assuntos relacionados:
O que você achou deste conteúdo?
Conte nos comentários.
Veja outros posts relacionados
logo sioux grouplogo siouxlogo ludos prologo pgblogo movieplaylogo go gamers
icon linkedinicon instagramicon facebook