O capital intelectual é um ativo importante para as empresas. Apesar disso, muitas organizações ainda não conhecem os benefícios desse elemento em seu dia a dia, ou não sabem como formá-lo para melhorar seus resultados no mercado. Esta postura de desconhecimento pode trazer prejuízos ao não valorizar sua riqueza interna e única.

Nesse artigo vamos explicar o que é o capital intelectual, quais são as vantagens de se valorizar esse ativo e como trabalhá-lo na sua empresa para aumentar seus resultados. 

O que é o Capital Intelectual?

Conhecimento é poder – essa frase é utilizada em várias situações nas nossas vidas e, além do lado pessoal, ela também é verdade no ambiente corporativo. O capital intelectual é, basicamente, todo conhecimento de uma empresa. Esse conjunto é formado por três elementos principais:

  • Capital Interno: são os processos, modelos, conceitos, patentes e sistemas administrativos e informacionais da empresa, que são criados pelos profissionais e usados internamente;
  • Capital Externo: é o relacionamento com diferentes públicos, como clientes, fornecedores e stakeholders. Além disso, este item considera elementos como a imagem, reputação e marca da organização;

Todos esses elementos impactam, de uma forma ou outra, o funcionamento e desempenho de uma empresa e, juntos, formam o seu capital intelectual. Sendo assim, esse ativo é algo único a uma organização, portanto não há como “roubá-lo” ou até mesmo copiá-lo totalmente: cada negócio constrói sua própria bagagem. Excluindo o capital humano – cujo os funcionários podem sair e levar seus conhecimentos pessoais para outros lugares -, todos os outros itens são difíceis de serem replicados e transferidos para outras companhias. 

O capital intelectual é uma riqueza formada com o tempo, adquirida por meio de bastante trabalho e estratégia: não se cria patentes complexas, treina funcionários e constrói relações com diferentes públicos da noite para o dia. Por isso, é preciso um bom investimento, esforços e paciência para gerar esse ativo.

Por ser algo normalmente intangível e não quantitativo, muitas empresas acabam não investindo em seu capital intelectual e desconhecem seus benefícios. Isso é um equívoco: valorizar esse ativo pode ser um grande diferencial da organização e ajudá-la a abocanhar uma parte importante do mercado.

As vantagens do Capital Intelectual

Investir no capital intelectual pode trazer vários benefícios a uma empresa. Porém o que mais se destaca nesse sentido é o poder da vantagem competitiva. Por ser algo único, esse ativo – se bem formado – pode se tornar um grande diferencial da empresa perante suas concorrentes. 

Imagine ter funcionários mais qualificados do que das outras empresas, profissionais que estão atualizados nas boas práticas e inovações do setor. Você não acha que isso se refletiria em diversos processos internos – desde a produção ao atendimento ao cliente – de forma positiva?

E se sua organização fizesse pesquisas próprias, seja para a fabricação dos produtos ou para o desenvolvimento de serviços mais alinhados às necessidades dos clientes e público-alvo? Não seriam estudos e dados só seus que poderiam ser usados para aumentar o desempenho da empresa?

E pense em ter um relacionamento forte com os seus fornecedores, permitindo ofertas exclusivas aos seus clientes, como preços, formas de pagamento e até mesmo produtos/serviços únicos: claro que essas condições iriam atrair um público maior e fidelizar seus compradores, certo? 

Todos esses são apenas alguns exemplos de vários elementos que, juntos, ajudam a organização a oferecer um produto/serviço de qualidade e exclusividade aos seus clientes, chamando assim sua atenção e ganhando espaço no mercado. Assim, o capital intelectual forma um conjunto de saberes que podem ajudar no sucesso da empresa. 

Como valorizar o Capital Intelectual?

O conceito de capital intelectual é algo que surgiu no ramo da administração a partir dos anos 90, mas na atualidade vem sendo trabalhado de forma mais estratégica nas organizações. Afinal, com o recente aumento da competitividade no mercado, é fundamental investir em mecanismos que diferenciem e destaquem a empresa diante de tantos concorrentes. 

Não se está mais disputando espaço com a empresa da esquina, e sim também com um negócio do outro do lado do mundo. Assim, investir em uma vantagem competitiva como o capital intelectual é fundamental para o sucesso de um negócio.

Mas, como se faz isso? Vamos separar algumas ideias de como valorizar o capital intelectual de uma empresa de acordo com a categoria:

Valorizar o capital interno

Investir em processos mais eficientes e ágeis é uma forma de ganhar diferencial competitivo. Existem várias ferramentas e estratégias que podem ser adotadas nesse item: a filosofia lean ajuda na redução de desperdícios e gerar maior valor ao cliente, elementos que com certeza impactam no desempenho da empresa, enquanto o modelo 5S pensa tudo isso – só que com um modelo de 5 passos que devem ser cumpridos para alcançar essa meta. 

Outra ideia é adotar ferramentas de automação, para agilizar algumas operações, reduzir custos e margens de erro e colocar os colaboradores em posições mais estratégicas, aproveitando os talentos em tarefas menos monótonas e operacionais. Softwares como sistemas de gestão ou plataformas gamificadas ajudam a tornar diversas ações mais práticas e eficientes. 

Valorizar o capital externo

São várias as ações que podem ser feitas nesse item: buscar formar relacionamentos sólidos com os públicos da sua empresa – desde fornecedores, stakeholders a clientes é uma excelente ideia. É importante criar uma verdadeira parceria para oferecer condições exclusivas devido um acordo com seus abastecedores, para ter bons investimentos e prestar um excelente atendimento aos compradores. 

Também investir em estratégias de mídia e comunicação é uma forma de construir uma boa imagem e reputação com o público, se afastando de crises e conquistando a confiança do seus clientes para que além de fiéis, sejam promotores da marca. 

Investir em capital humano

Adotar estratégias contínuas de treinamento e desenvolvimento dos colaboradores é uma ótima ideia para fortalecer seu capital humano, seja considerando os aspectos técnicos ou comportamentais dos profissionais que influenciam sim em seu trabalho e, consequentemente, o desempenho da empresa. 

Pensar em ações de gestão de conhecimento também é uma oportunidade para espalhar as boas práticas entre os colaboradores, não deixando que se percam com a saída de algum funcionário, e manter o capital intelectual na sua empresa. 

Quer saber mais como investir no capital humano da sua organização? Conheça 6 técnicas de treinamento para aprimorar sua gestão de pessoas!