Aprender técnicas de persuasão é algo importante tanto na vida profissional quanto pessoal. Afinal, é preciso muitas vezes saber convencer as pessoas para que diversas portas se abram: fazer o cliente se interessar por um produto/serviço; pedir uma promoção, aumento no salário ou até mesmo conseguir um bom desconto em uma loja. 

Descubra nesse artigo 9 técnicas de persuasão que você pode usar no trabalho ou então na rotina cotidiana e aprenda a negociar melhor com as pessoas! 

Persuasão: uma habilidade necessária

Ter poder de convencimento é uma das competências mais importantes na sociedade e que nos é cobrada desde cedo — quantas vezes quando você era criança e adolescente teve que pedir para que os seus pais/responsáveis deixassem sair com os amigos? Quais eram os argumentos ou até mesmo o jeito de falar que os convencia a permitir o passeio?

Essa habilidade permeia o resto das nossas vidas: ao pedir para fazer uma atividade extra nos estudos para melhorar uma nota; um aumento de salário ou para sair mais cedo certo dia por X motivos; ou então para ter um belo desconto em uma loja ou com prestadores de serviço… Em todos estes casos ser persuasivo, usando as estratégias e palavras corretas, conta a seu favor para conseguir o que se quer. 

Porém, nem todo mundo tem facilidade com esta questão, sentindo-se angustiado ao ter que convencer alguém sobre determinado assunto, seja na vida profissional como na pessoal. 

Felizmente, diversas habilidades subjetivas podem ser desenvolvidas — basta ter os estímulos e treinamentos corretos para despertar as competências e aprender usá-las na hora certa.

9 Técnicas de Persuasão 

Existem algumas estratégias que podem ser adotadas para tornar o processo de convencimento mais tranquilo e efetivo. Lembrando: persuadir não significa enganar ou manipular, e sim fazer uma negociação onde todos saiam ganhando. 

Confira agora 9 técnicas de persuasão que você pode adotar na vida pessoal e profissional.

1- Comece de forma amigável

Todo mundo simpatiza mais com quem lhe trata com educação. Parece óbvio, mas na pressão essa questão pode passar batido. Evite passar uma imagem de arrogância, irritação (mesmo que não seja direcionada a pessoa com que você vai falar) e até mesmo de nervosismo. 

Em vez disso, busque passar uma boa imagem desde o início da negociação ou até mesmo antes — como ao pedir um aumento: dificilmente o gestor irá atender esse requerimento se o colaborador não estiver cumprindo suas funções adequadamente. 

2- Desperte a afeição

Seguindo por esta mesma linha, as pessoas tendem a concordar com quem já possuem algum laço de afetividade, como confiança, simpatia e admiração. Criar essa conexão é fundamental para manter relacionamentos saudáveis, duradouros e mutuamente benéficos.

Por isso é preciso exercer várias competências importantes para formar essa ligação, como a empatia, respeito e escuta — busque ouvir o que a outra pessoa tem a falar e tente se conectar a ela. 

3- Identifique a necessidade

A negociação deve ser vantajosa para todos os lados, inclusive para quem você vai conversar. Uma das maneiras de fazer isso é identificando uma necessidade que a pessoa tenha: uma venda, por exemplo, deve sanar a dor do cliente — é isso que motiva a compra e conquista o consumidor. 

Por isso se coloque no lugar da pessoa com quem você quer negociar, pensando nas suas necessidades, desejos, expectativas e o quais argumentos iriam convencê-la melhor. 

4- Tenha autoridade

Uma das estratégias mais eficientes, usada inclusive em áreas como marketing, é criar uma imagem de autoridade no assunto em questão. Ter a chancela de especialista ajuda as pessoas a confiarem no que você tem a dizer, o que é um bom estímulo para conseguir persuadi-las. 

5- Use a ideia escassez

Outra ideia bastante usada na área de vendas é usar o princípio da escassez: as pessoas se sentem mais tentadas a comprar algo que sentem estar acabando, como uma peça de roupa exclusiva ou as últimas vagas para um curso/evento/etc. Isso também desperta o sentimento de urgência para adquirir o produto ou serviço ofertado. 

6- Aproveite a prova social

As pessoas são seres sociais que buscam a chancela uma das outras antes de tomar decisões: quantos contatos você já consultou antes de comprar um produto ou serviço?

Mesmo que seja vendo comentários de desconhecidos na internet, principalmente influenciadores digitais, as pessoas naturalmente buscam a opinião alheia e é possível usar isso em seu favor na hora de persuadir alguém. 

7- Lance um desafio

Você nunca viu algum produto ou serviço ser ofertado com um “tenha retorno X ou o seu dinheiro de volta”? Essa estratégia pode funcionar com as pessoas que gostam de ser estimuladas, porém deve-se ter cautela para não provocar demais e acabar gerando irritação. 

Além disso, é preciso que a contrapartida da negociação seja verdadeira — ou se não estragos possivelmente irreparáveis serão feitos na relação. 

8- Seja flexível

Uma das habilidades mais importantes em uma negociação é a flexibilidade. Nem sempre é possível prever o que irá ocorrer, porém é preciso estar aberto a considerar outras opções para acomodar as necessidades de todas as partes. 

Por isso planeje bem antes de tentar persuadir a pessoa, analisando as outras possibilidades que podem surgir na conversa além das que você deseja.

9- Use o storytelling

Outro recurso que está trazendo muitos resultados, em diversas esferas, é o storytelling. Basicamente, esse termo significa a arte de contar uma história — que envolve, emociona e engaja o público-alvo. 

Um storytelling bem feito consegue persuadir uma pessoa a comprar, se interessar por uma causa social e até mesmo mudar de opinião a respeito de determinado tema. Por isso, é técnica de persuasão poderosa que pode mudar tudo em uma negociação.

Conclusão

Saber usar as técnicas de persuasão certas no momento ideal é um importante passo para atingir seus objetivos. No entanto, é preciso também se atentar a outros fatores para que a negociação seja positiva para todos os lados.

Primeiro, prefira o cara a cara a outros meios de comunicação: nenhum e-mail, telefone ou mensagem é tão eficiente quanto uma negociação pessoal e presencial, feita olho no olho. 

Outra questão, ainda nesse sentido, é se atentar a linguagem não verbal. O corpo realmente fala: ficar com uma postura defensiva e fechada dificilmente irá ajudar em seus argumentos, enquanto uma mais relaxada, mas ainda sim confiante e séria, irá contar bastante na negociação.
Gostou das nossas dicas? Melhore sua vida profissional com os nossos artigos sobre carreira, educação corporativa e negócios!